2010-19: a década perdida

Dois tempos é a coluna semanal do Mário Pravato, publicada normalmente às quartas. São dois assuntos diferentes e às vezes pode acontecer uma prorrogação e até mesmo uma disputa por pênaltis! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.

Antes de começar a primeira coluna de 2020, gostaria de deixar bem claro que para mim, a década começa agora, não vou cair em discussão besta de internet, ou seja, a década começa no ano 0 e termina no ano 9.

Vamos falar sobre o período entre 2010 e 2019, ou como já antecipei no título desta coluna, a década perdida!

Apenas um título

Apenas um título na década! Muito pouco, ou quase nada! Minhas primeiras lembranças do SPFC são de 93, ou seja, me acostumei a ver esse time campeão, mesmo nas épocas de vacas magras (94-2004), sempre pintava um Paulista ou algo parecido….

Já são 8 anos da Sulamericana 2012, do último jogo de Lucas com a camisa do Tricolor e do fatídico “meio-jogo” contra o Tigre.

Fora esse título, no máximo fomos vice-campeões brasileiro (2014), vice do Paulista (2019) e ainda estivemos em duas semifinais de Libertadores (2010 e 2016), mas isso é muito pouco para o tamanho do São Paulo FC.






Poucos acertos

Foram poucos acertos nesses 10 anos. Cotia com certeza foi o maior deles, basta ver quantos jogadores foram revelados e quantos títulos foram conquistados pela nossa base!

Porém, algumas vendas foram feitas de forma precipitada. Outras, por valores muito baixos. Mas outras foram no momento certo e por valores que ninguém esperava!

Osório foi um grande acerto, porém na sequência a diretoria fez questão de mostrar que enganou o treinador, ao desmontar o time e não dar tempo para o seu trabalho.

Muitos erros

Foram 10 anos políticos tensos pelo lado do Morumbi. Começamos com Juvenal, que na sequência aplicou o golpe do terceiro mandato e seguimos com Aidar e Leco, fora um Conselho de mentalidade velha, com pessoas inescrupulosas, e que somente pensam em dinheiro.

Este ano é ano de eleição, mas a esperança de tempos melhores são bem pequenas, já que os mesmos permanecem ditando os rumos do Tricolor.

Foram 17 treinadores, sem contar os interinos. Diversas contratações inexplicáveis até hoje (só citarei Ytalo, Éverton Felipe e Calazans, como exemplo) e nunca houve a tentativa de criar uma padrão tático e técnico no time.

Times da Década

Eu ia montar o meu time da década, mas vi a postagem abaixo do Vitor Pereira no Twitter e gostei de suas escalações:

O time titular está perfeito. Foram os melhores nestes últimos 10 anos e concordo com a escolha do treinador. O Ney Franco de 2012 estava muito bem, não se esqueçam que enfiamos 5 no time do Sampaoli no Pacaembu! Aquele São Paulo de Lucas e cia. jogava muito!

Sobre o time reserva, apenas ressalvas à Juanfran e Daniel Alves, que não apresentaram muito em 2019, porém com poucas opções em uma década de derrotas, não há problema em escalá-los.

São dois times fortíssimos, é uma pena que poucos destes jogadores foram campeões.

O que esperar da próxima década?

Sigo batendo na tecla que não haverá sucesso enquanto o São Paulo mantiver a sua estrutura administrativa e política.

Não dá mais para manter um corpo de conselheiros que nada de bom trazem para o clube.

Social e futebol (ou os esportes) não podem permanecer do mesmo lado.

O São Paulo precisa se reinventar, o São Paulo precisa mudar.

A última porrada aqui, vai para um grupo de torcedores que adora arrotar nas redes sociais que preza a tradição, que não podemos ter camisa azul, que não podemos redesenhar nosso logo, que não podemos pensar em um novo estádio. Tradição é erguer taça, é ser vencedor, é lotar o estádio e voltar a ser clube grande, coisa que deixamos de ser há bastante tempo.


Mário Pravato Junior.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Reprodução / Twitter do São Paulo

Comente com sua conta do Facebook: