É tudo ou nada: Tem que vencer hoje!

Por Fernando Michelutti – Papo de Arquibancada

O São Paulo enfrenta hoje a noite no Morumbi, a partir das 21h45, o time argentino do Rosário Central. Apesar de o jogo ser televisionado, inclusive para capital paulista, já foram vendidos mais de 24 mil ingressos até o momento segundo o site globo esporte.

O Tricolor entra em campo com o dever de evitar uma tripla eliminação, assim como ocorreu em 2017: Paulistão, Copa do Brasil e Sul-Americana. E terá sua vida facilitada nessa tarefa, pelo menos na teoria…

A campanha do Rosário Central é no mínimo ridícula! Podemos dizer que este é o pior adversário que o Tricolor já teve em competições de “mata mata” nestes últimos anos. Vale lembrar que Leonardo Fernández, técnico no primeiro duelo diante do Tricolor, pediu demissão após três derrotas. O interino José Chamot assumiu a equipe e também foi derrotado por 4 a 0 para o Arsenal de Sarandí no último sábado em jogo válido pelo campeonato argentino.

Desde o jogo de ida (placar de 0 x 0) em 12/04, o time argentino não ganhou uma partida sequer:






Fonte: Globo Esporte

Diego Aguirre fechou o treino da última terça-feira. Nenê (dores na coxa) e Militão (incômodo no adutor) treinaram e foram relacionados. Caso eles não tenham condições, Cueva e Anderson Martins são os principais candidatos aos seus lugares, respectivamente.

Outra mudança na equipe será a entrada de Valdívia no lugar de Everton (não está inscrito na competição).

Bruno, Edimar e Caique, relacionados diante do Atlético-MG, estão fora (na Sul-Americana só sete atletas vão para o banco).

Hudson vai sair da equipe titular. Petros e Liziero deverão retornar, formando três volantes com Jucilei. Isso porque um dos três zagueiros deverá sair do time. Arboleda é o principal candidato a perder o lugar. Lembrando que Rodrigo Caio foi expulso no primeiro jogo e cumpre suspensão automática.

Dessa maneira, o Tricolor provável é o seguinte: Sidão; Régis, Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Petros e Liziero; Nenê, Valdívia e Diego Souza.

Tem sido praxe em 2018: o São Paulo faz um gol e, naturalmente, recua!

No Brasileirão, por exemplo, em dois dos três empates da equipe, contra Fluminense e Atlético-MG, o Tricolor foi penalizado por ter dado muito espaço ao adversário após abrir o marcador. Ou seja, o São Paulo tem encontrado dificuldade para definir as partidas depois de sair na frente. Seja pelo medo de ter um resultado adverso ou pela filosofia de Aguirre, isso precisa mudar urgentemente! Contra o Rosario Central, em jogo que o gol do visitante tem peso maior, é preciso atenção a isso.

Que o brio mostrado lá em 2004, naquela icônica partida das oitavas de final da Copa Libertadores da América, seja a tônica da noite!

Que o nosso Tricolor saia de campo classificado, evitando assim uma pressão imensurável sobre o precoce, mas já criticado, trabalho de Diego Aguirre. E mais do que isso: que o futebol demonstrado seja convincente e ajude esse grupo a formar a famosa “casca” para brigar na parte de cima da tabela do Brasileirão.

Saudações tricolores,

Fernando Michelutti.

Link original: Papo de Arquibancada

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook:

Confira outras notícias no Arquibancada Tricolor