Espaço do Torcedor – Ganso encaixaria no São Paulo? Os prós e contras

Espaço do Torcedor é a coluna quase que diária do Arquibancada Tricolor, que dá voz a todos os torcedores da arquibancada. Quer ver seu texto publicado aqui? Mande uma mensagem para nós!






Qualquer pessoa que tenha a mínima noção de futebol, sabe: Paulo Henrique Ganso possui uma rara habilidade no trato com a bola. Com uma genialidade única, o meia do Sevilla teve uma carreira meteórica e deu esperanças ao Brasil de ser um jogador com talento para comandar a equipe canarinho. Porém, sua inconstância, sua aparente falta de gana em campo e uma séria contusão no início da jornada parecem ter prejudicado o jogador, que agora tende a voltar ao país para tentar reconstruir sua carreira.

Ainda que não haja nada em concreto, por ter sido seu último clube e por ter declarado, ainda em 2016, ano de sua saída, que um dia voltaria, tratemos aqui dos prós e contras do jogador, que rompeu seu empréstimo com o modestíssimo Amiens, da França, e ainda não decidiu em qual clube poderá desembarcar em 2019. Seria uma boa para o tricolor?

Vejamos:

PRÓS

  1. JOGADAS DECISIVAS: Ganso é daqueles jogadores raros que, com uma jogada, colocam seus companheiros na cara do gol e produzem lances que remetem ao futebol clássico. Foi assim em sua primeira passagem no clube, com lances inesquecíveis como os golaços no Corinthians e no Santos, além de um total de quarenta e sete assistências em seus 214 jogos com a camisa tricolor, uma marca realmente impressionante;
  2. COMPLEMENTARIEDADE COM HERNANES: o Profeta já indicou, na sua volta anterior ao clube em 2017, que gosta de jogar agora mais perto do gol. E isso pode ser muito importante em um meio-de-campo com um jogador com Ganso, já que a especialidade deste é justamente limpar e armar as jogadas para os seus companheiros. Seria um interessante “casamento”, já que Hernanes é ambidestro, gosta de arriscar e seria municiado por um meia de muita qualidade;
  3. EXPERIÊNCIA DE LIBERTADORES: Ganso é campeão da Copa Libertadores jogando pela equipe da Vila Belmiro, além de ter chegado (e não jogado) nas semifinais de 2016 com o time do Morumbi. Não iria pesar a camisa e nem os jogos peculiares nos confins da América do Sul, haja vista o memorável show do meia no confronto contra o River Plate, ainda na fase de grupos, no lotado Monumental de Nuñes.

CONTRAS

  1. JOGAR EM FUNÇÃO DELE: Ganso deixa explicitamente claro sua não predileção em jogar perto da área. Como meia clássico, “acima da média”, como se define, o camisa 10 adota uma postura que causa certa angústia nos treinadores que o tiveram nos times, tal qual Muricy Ramalho. É que o meia não tem o tino de arriscar chutes, mas também não possui a “pegada” necessária para jogar de segundo volante. E isso faz com que o time tenha que se dispor a jogar em função dele, com um esquema mais marcador e dando liberdade para que ele crie, o que pode sobrecarregar seus companheiros de equipe;
  2. IDADE AVANÇADA: se, já em 2016, Ganso era questionado por sua falta de mobilidade em campo, agora, aos 29 anos, o jogador, que não é mais nenhum garoto, certamente terá dificuldade em se adaptar a um time que vinha jogando até o ano passado com três atacantes, sendo dois de velocidade. Caso Nenê seja mantido titular, seriam dois jogadores com baixa mobilidade no time, o que certamente causaria dores de cabeça a André Jardine;
  3. FALTA DE INTENSIDADE: apesar do talento indiscutível, Ganso parece ter perdido a gana de vencer no futebol. Em alguns jogos, passa boa parte do tempo sumido, quando deveria ser justamente o protagonista dos times que passou. Sua preferência em sempre dar assistências em vez de chutar a gol também parece uma característica de um jogador que precisa sempre ter alguém falando em seu ouvido para se manter ligado.

Ganso é daqueles jogadores que desperta as paixões dos torcedores das formas mais intensas possíveis. Se um dia já disseram que seria melhor do que Neymar, hoje é possível concordar com Seedorf e afirmar que ele realmente não tinha a mobilidade necessária para se firmar na Europa. Contudo, é um grande jogador, com um talento indiscutível e um toque de bola refinadamente aprimorado. Há espaço para ele no futebol brasileiro e ainda há muito chão pela frente para que prove que ainda pode vingar, calando os críticos.

E você? Concorda, discorda? Deixe sua opinião!

Matheus Conceição

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook: