Depois de uma derrota vergonhosa para o 4 de Julho do Piauí, mesmo atuando com reservas, tendo um gol mal anulado e sofrendo um gol deles irregular, pudemos ver de novo como há peças no elenco que não podemos esperar algo.

A frase acima pode até soar arrogante, mas até mesmo pelos investimentos que o São Paulo faz no elenco, era obrigação uma vitória nesta estreia da Copa do Brasil.

Se tem algo unânime entre os torcedores do São Paulo após esse jogo, é o sentimento de que não poderemos contar com alguns jogadores para a temporada. Afinal, se não conseguem jogar contra o 4 de Julho, vão conseguir quando?

Jogadores que preocupam e quem ainda pode ser útil

Nosso goleiro Lucas Perri, já há algum tempo, preocupa com sua insegurança em saídas de bola e rebatidas para dentro da área. Acredito que o São Paulo possa testar outros goleiros do elenco como opção.

O lateral Orejuela chegou praticamente ontem, e que até entendo que ainda precisa ser avaliado em mais partidas, fez uma partida horrorosa, sendo responsável direto por dois gols sofridos. Pode ser que se adapte e jogue melhor, mas mostrou erros terríveis quando atuou.

Os zagueiros Rodrigo e Diego Costa foram tenebrosos hoje, conseguindo a façanha de levar três gols em lances bisonhos, mostrar insegurança em outros tantos e nos deixar preocupados sobre o que temos em casa caso os principais zagueiros não puderem atuar.

Galeano é jovem e ainda vai oscilar, é normal. Fez outra partida discreta e tem errado lances fáceis. Precisa ser orientado e ainda pode render.

O meio de campo e ataque carentes

No meio de campo, William ainda não mostrou algo que justificasse sua chegada ao clube. Mostra força de vontade, mas é pouco e uma opção com técnica inferior à de Luan, principal protetor da zaga atual.

Shaylon é um jogador que parece ter alguma qualidade e potencial, mas é desligado do jogo em vários momentos. Não parece ter a intensidade que o time precisa e some das partidas. Até tem acertado bons passes, mas ainda é pouco para as demandas do time e precisa mostrar que merece ficar. Faz muito pouco pelo número de chances que recebe.

No ataque, a situação mais preocupante. Com Pablo ainda deixando a desejar e a cada dia, sendo mais criticado, a única opção no elenco para ser um homem de referência na área é Vitor Bueno, que joga improvisado na função. Chegou a fazer gols, “quebrou galho” em uma ou outra situação de jogo, mas não tem funcionado.

Hernanes: O fim de um ciclo?

Comento há algum tempo, com todo respeito e gratidão do mundo, mas entendo que está chegando ao fim o ciclo do nosso querido profeta Hernanes.

O que o craque fez pelo São Paulo em toda sua história no clube, mas especificamente em 2017, tem o peso de um título. Porém, desde que voltou da China, não está bem.

Fisicamente ele parece bem, mas há algo que não está funcionando e não acredito que seja a idade, pois ele tem 36 anos e não envelheceu tão rapidamente entre 2017 e 2019, quando retornou.

Reforço o que sempre disse nas Lives e aqui: Tenho o maior respeito por Hernanes e de todo o elenco, ele é o único jogador com status de ídolo do clube, mas talvez seja o momento de pensar um fechamento honroso deste ciclo.

Quem se salvou em um jogo como esse?

Poucos. Mas isso não significa que todos que foram mal, devem ser dispensados do São Paulo.

Vale ressaltar a qualidade de Eder, que espero ver em 100% de condições de jogo para ser titular da equipe principal, assim como os avanços do lateral Welington.

Thales Costa parece ser muito promissor também e espero ver atuando mais vezes nos jogos desta temporada e quem sabe, na equipe principal.

A avaliação de Crespo

Hernan Crespo precisa avaliar rápido quais serão os jogadores que ele quer contar para a temporada. A chegada de Emiliano Rigoni, sua indicação, mostra indícios de um setor que não tem agradado.

O treinador também precisa pensar um esquema de jogo sem um “9” de referência na área, já que Pablo e Vitor Bueno não correspondem. Um ataque mais móvel com Luciano e Eder (ou Rojas ou Galeano) se mostra mais ideal para o time.

Cabe a Crespo preparar o time para jogar sem a dependência de Benitez (Rigoni pode atuar nessa função?) e parar de insistir com Pablo/Bueno na busca por um jogador de referência na área.

Precisamos de um grande elenco para os torneios que temos em 2021, mas não significa apenas em quantidade e sim, qualidade para buscar vitórias.

*As opiniões expressas aqui são de responsabilidade do autor do texto, e não refletem a opinião do site

Post anteriorHernanes lamenta derrota do São Paulo na Copa do Brasil: “Pecamos na bola parada”
Próximo PostEstatísticas de 4 de julho 3 x 2 São Paulo: Copa do Brasil 2021
42 anos, paulistano, são-paulino e um dos criadores do Arquibancada Tricolor. Apaixonado por Formula 1, Futebol, boa música e tecnologia!