O Brasileirão nos sorri

TRIbuna do Braga é escrita pelo Rodrigo Braga em todas às sextas.






O São Paulo vive o seu melhor momento no Brasileirão, e também na temporada. Invicto desde a volta pós-Copa América, cinco vitórias consecutivas e, principalmente, atuações consistentes. Cuca prometeu que o time aproveitaria a parada e voltaria outro, e cumpriu. Além disso, as chegadas de Daniel Alves e Juanfran não só aumentaram a qualidade do elenco, como também contribuíram (e ainda vão contribuir muito mais) para elevar o moral do grupo e aumentar o rendimento e o comprometimento dos jovens. É muita boa notícia, e ainda falta dizer que Liziero recém voltou, e voltou bem, e Pablo ainda vai voltar ao time titular.

Enfim, sobram motivos para o torcedor estar empolgado. O São Paulo, em viés de alta e projeção realista de seguir subindo, entrou de vez na briga pelo Brasileirão. Dá até para criar expectativa pela liderança na tabela antes da virada do turno. E era exatamente aí que eu queria chegar: o momento são paulino não é favorável apenas dentro de campo, a tabela também está sorrindo para nós.

Com Flamengo, Palmeiras, Inter, Galo e até o Corinthians – para ficar nos que estão na parte de cima da classificação – focados em outras competições, o São Paulo pode tirar proveito e somar pontos que farão toda a diferença na reta final do campeonato. O Tricolor tem quatro jogos ainda no turno: o Vasco neste domingo em São Januário (jogo perigoso, mas que é possível vencer), o Grêmio e o CSA no Morumbi e o Internacional no Beira-Rio. Destes, vai enfrentar um Grêmio só de reservas no dia 31 no Morumbi, e se o Inter for à final da Copa do Brasil (tem boa vantagem para isso), certamente também terá reservas no confronto do dia 7 de setembro no Sul (neste também teremos desfalques em função da data Fifa). E ainda tem mais: até o final do turno, ainda teremos confrontos diretos de rivais, como Flamengo x Palmeiras e Flamengo x Santos, ambos no Rio.

Ou seja, tal qual no ano passado, o São Paulo vai entrar no returno brigando pelo título. E aí são dois os principais desafios de Cuca e cia. neste cenário: primeiro, confirmar tudo isso dentro de campo. E segundo, não deixar o rendimento despencar lá na frente, como aconteceu em 2018.
Não sei vocês, mas eu estou bem otimista.


Rodrigo Braga. Tenho 40 anos, sou um paulista, paulistano e são-paulino radicado em Santa Catarina, onde há mais de 20 anos atuo como jornalista. Fui editor de esporte e participei de coberturas de Copa do Mundo, Jogos Pan-Americanos e outros eventos internacionais. Sou louco por futebol, mas, principalmente, sou louco pelo São Paulo Futebol Clube.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Reprodução / Youtube do São Paulo

Comente com sua conta do Facebook: