O Tricolor Paulista perdeu a força. Vamos tentar entender o porquê?

Por Rodrigo Chamorro – Papo de Arquibancada

Faz uns 6 meses o São Paulo não me dava esperança, trocando técnico após 3 meses de temporada, apanhando nos clássicos. Não dava pra apostar em nenhum sucesso.

Veio Aguirre, Everton, a Copa. O São Paulo voltou voando. Ganhando jogos difíceis, dentro e fora de casa. Com o time sendo muito eficiente, defesa sólida e ataque letal. Eu e quase toda a torcida começou a acreditar.

Eu escrevi sobre isso na época, apontando grandes acertos da direção de futebol, do técnico e dos jogadores. A perspectiva era excelente.

Até nas derrotas para Grêmio e Atlético-MG víamos um time muito brigador, que vendia muito caro cada ponto.

Alguns comentaristas esportivos mais racionais alertavam para um bom time, sem peças de reposição, que jogava no limite da capacidade e equilíbrio. Tudo construído sobre uma base frágil, de um time que não sabia o que fazer com a bola nos pés quando precisava propor o jogo.

Eles estavam certos. O castelo de cartas foi derrubado assim que o vento bateu.

E como alguém que entrou pra correr uma maratona tendo treinado para apenas pra uma São Silvestre, o mau futebol e os péssimos resultados começaram a aparecer. Empates sofridos contra times sofríveis e derrotas acachapantes contra Palmeiras e Internacional, tiram o Tricolor da briga pelo Brasileirão e colocam em dúvida a capacidade que tem de chegar na fase de grupos da Libertadores em 2019.

Assim como me dei ao trabalho de listar acertos do São Paulo quando a fase era boa, me sinto no dever de apontar alguns erros e hipóteses para entender o que acontece com o time atualmente.

Erro 1: Saída prematura do Éder Militão. Foi só o jogador sair que a defesa virou uma peneira! Eu sei, o Raí tentou de tudo para manter o cara, mas não posso isentar o clube do erro de não ter cuidado melhor da situação contratual desse jogador, lá atrás. Depois da saída do Militão trouxemos o Bruno Peres, ótima contratação, que é tudo menos lateral direito de contenção. O problema com o Régis e sua dependência também atrapalhou.






Erro 2: Não temos um grande goleiro! O Sidão não é um baita frangueiro, mas quando todo o estádio treme ao ver a bola ir na direção dele, tem algo errado. Demorou pro Aguirre e elenco entenderem a insegurança que ele transmite para o time. Ontem Jean foi o titular, e foi terrível. Ele errou o tempo de bola várias vezes, com saídas do gol bem ruins. Fora que nem saiu na foto nos gols do Damião. Isso precisa ser ajustado para o ano que vem.

Erro 3: Esse é mais uma hipótese do que um erro. Tenho lido que Arboleda está à venda por não apresentar comportamento adequado e falta de comprometimento. É sério isso? Como assim o nosso melhor zagueiro está à venda? Deveriam estar anunciando o Rodrigo Caio, que já deveria ter ido embora faz um tempo. Bom jogador, mas não mais para o São Paulo.

Erro 4: Por que o departamento médico do São Paulo não explica o que acontece com o Everton? A mesma equipe que deu entrevistas orgulhosas 2 meses atrás explicando o processo de um time que ninguém se machucava agora precisa dizer o que acontece com o jogador. Voltou cedo? Alguém o pressionou a voltar? O departamento médico foi apressado por Aguirre. Gente de bastante conhecimento no clube alerta para uma briga que atualmente ocorre entre Aguirre e fisioterapeutas e médicos.

Erro 5: o time confunde garra com imprudência. O time toma muitos cartões, em todos os jogos. Puro nervosismo. Fomos eliminados na Sul-americana para um time inexpressivo da Argentina, sem contar com Diego Souza, que deu uma “bica” no zagueiro do adversário e não podia nem pisar na terra dos hermanos. O mesmo Diego Souza foi expulso de forma bisonha contra o Fluminense, prejudicando demais o time. Em todos os jogos tem jogador suspenso, muitas vezes por cera, reclamação e agressão. Isso é garra?

Erro 6: Falta ousadia. Um dia antes do clássico Ricardo Rocha diz que empatar com o Palmeiras em casa não seria uma mal resultado. Sério? Dá para entender porque o time faz um gol (dentro ou fora de casa, contra time pequeno ou grande) e recua como se fosse um player do Z4 da série B. Foi muito preocupante ver a postura covarde do time após marcar um gol no Inter aos 3 minutos. Isso também aconteceu em vários outros jogos. Falta coragem, falta bola ou falta os dois?

Erro 7: após os bons resultados, com a janela de contratações ainda aberta tanto Raí quanto Aguirre declararam para torcida e imprensa que o elenco estava fechado e era satisfatório. Na prática vemos Rodrigo Caio na lateral, Reinaldo e Liziero na ponta, um time sem alternativas no banco de reservas e sem substituto para Nenê. Quem é Everton Felipe?

Tem outras coisas: idade do elenco, relação com a torcida, invenções de Aguirre e pressão desnecessária na arbitragem e federação.

O que esperar do time? O que esperar de 2019? Vamos pra Libertadores? O que mais precisa mudar?

Vamos continuar apoiando. Vai São Paulo!

Fonte: Papo de Arquibancada

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook:
Você já conhece a Loja do Arquibancada? Modelos exclusivos para você mostrar o seu amor pelo Tricolor!

Confira outras notícias no Arquibancada Tricolor

Leave a Reply