Dois tempos é a coluna do Mário Pravato, publicada no Arquibancada Tricolor desde 2017, abordando tudo sobre o Tricolor Paulista.

Começo a escrever esta coluna exatos 40 minutos após o fim de jogo entre Corinthians e São Paulo em Itaquera, onde o nosso Tricolor foi derrotado por 1 a 0 e viu assim a sua diferença para o Atlético-MG cair para 4 pontos, fora a manutenção do tabu de nunca ter vencido na casa do rival. Vamos aos pitacos:

São Paulo foi covarde

Não tenho medo de falar isso, fomos covardes mais uma vez em Itaquera. É impressionante, basta entrar lá que tudo muda de aspecto, o São Paulo volta a ser aquele time sem alma que tomou de 6 em 2015 e o rival parece que era o líder do campeonato. Sem torcida, eu imaginava que o São Paulo seria melhor pelas bandas da zona leste.

Quem vê as estatísticas do jogo, não vê a mesma coisa que foi em campo. São Paulo dominante nos números, mas que tem que erguer as mãos para o céu por ter perdido de apenas 1. Um placar 3 a 0 para o rival não seria estranho e nem zebra, pelas chances claras que tiveram, muitas por erros infantis do Tricolor.

Muitos erros

O gol do rival foi uma coletânea de erros. Primeiro Reinaldo tenta dar um passe da lateral para o meio, para encontrar Daniel Alves, porém haviam pelo menos 3 corintianos em volta, extremamente arriscado e assim a bola foi perdida.

Na sequência Arboleda resolve dar o bote depois da meia-lua do meio de campo e deixa seu lado totalmente desprotegido! Otero aproveitou que Bruno Alves estava do outro lado e correu para finalizar. Bruno Alves também poderia ter dado um carrinho cruzado ali, não? Será que teve medo de fazer pênalti? No fim só Volpi não teve culpa neste lance.

Luciano não poderia ter ficado em campo

Entendo que Luciano é um cara brigador e que não desiste nunca, mas jamais a última palavra pode ser do jogador. Estava na cara que era uma distensão no adutor da coxa ou coisa parecida, na hora o Dr. Sanchez tinha que pedir a substituição para o banco. Não era uma final de campeonato e o São Paulo tem um jogo importantíssimo contra o Grêmio daqui 10 dias. Duvido que Luciano estará em campo e teremos que ir de Pablo, Tréllez ou Carneiro…

Luciano deixa o campo na derrota contra o Corinthians em Itaquera
Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

(Caso não consiga visualizar a imagem, clique aqui)

Aqueles poucos minutos após a sua volta, incluindo aquele pique desnecessário na sua jogada final quando estava impedido, podem custar mais de 1 mês de Reffis para o nosso goleador do Brasileiro. Que a força esteja com você, Brenner!

Mancini colocou Diniz no bolso

Fernando Diniz foi engolido por Vagner Mancini e quem discordar é clubista. Entendo que uma das grandes características deste time é a saída de bola de pé em pé, porém existem jogos que você precisa mudar as suas características, ou será que todo mundo achou que enfrentaria o Botafogo novamente?

Diniz na derrota contra o Corinthians em Itaquera
Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

(Caso não consiga visualizar a imagem, clique aqui)

Outro detalhe é que Mancini deve ter jogado a sua vida neste jogo. Não duvido que o treinador se preparou durante toda a semana para hoje, já que por conta de Daniel Alves e cia, o mesmo foi preterido como técnico do São Paulo em 2019, para a chegada de Fernando Diniz.

Com certeza Mancini estava louco para poder dar a resposta e assim acabou com a nossa invencibilidade de mais 17 jogos…

Vamos com calma, foi apenas uma derrota

As críticas acima foram para a derrota de hoje, não significa que tudo está perdido. E ao mesmo tempo, nada está ganho. Quarta-feira o São Paulo tem mais uma “final” contra o Atlético-MG, em casa e com a chance de abrir novamente 7 pontos para o vice-líder. Não podemos bobear.

Além do Galo na quarta, não podemos nos esquecer do duelo contra o Grêmio daqui 10 dias pelas semifinais da Copa do Brasil, agora é a hora do time dar aquele pique a mais! Tem Natal, tem Ano Novo? Tem, mas vocês estão há poucos jogos de fazer história.

Vamos nos recuperar! O time precisa treinar melhor essa saída de bola e voltar a manter aquela regularidade que estava fazendo a torcida a criar esperanças!


Mário Pravato Junior

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site