Põe na conta do DM

A TRIbuna do Braga é escrita pelo Rodrigo Braga em todas às sextas.

Todo mundo que entende minimamente de futebol sabe bem que campeonatos como o Brasileirão são ganhos por elencos fortes. No papel, o São Paulo hoje cumpre este requisito para brigar pelo título, mas na prática tudo precisa funcionar direitinho. Por isso, nem vou me estender aqui dizendo o quanto foi terrível o empate de sábado com o Grêmio no Morumbi. Daqueles pontos realmente perdidos na tabela, e não só porque o time gaúcho usou um time misto (aliás, um misto bem reforçado), mas também pelo excesso de empates do Tricolor em casa no campeonato e na temporada.

O São Paulo precisava ganhar, mas faltou algo. Faltou elenco, e aí entramos no assunto do post. O excesso de lesões que acompanha o time em todo o ano fez a diferença e nos tirou dois pontos na tabela de classificação. Se a diretoria de certa forma deu resposta reforçando muito bem o elenco, se a comissão técnica deu resposta fazendo o time evoluir claramente, se até a torcida não para de dar resposta apoiando o time em todos os jogos, tá faltando apenas um elo nessa engrenagem: o departamento médico. Houve um tempo que o DM e o Reffis Tricolor nos davam vantagem, eram referência. Hoje, no mínimo, devem muitas explicações (e faz tempo que devem) do por que tantos jogadores desfalcam o time por lesões. Desde a quantidade absurda de lesionados no ano até a razão de algumas demorarem tanto tempo para recuperação. Pablo, que vinha de longa recuperação, jogou 45 minutos e já está um mês e meio fora. Pato fez um partidaço contra o Santos e já se vai quase um mês fora do time. A lista de lesões incuráveis é longa e merece uma explicação pública do departamento. E, se for o caso, medidas mais agudas por parte da diretoria. O São Paulo está no páreo pelo campeonato, mas não basta ter só um ótimo elenco no papel. É preciso colocar as peças em campo, e essa é uma missão que o departamento médico do clube nos deve. E pra ontem.

Tá demais

Impressiona, negativamente, óbvio, a quantidade de empates do São Paulo no Morumbi, muitos deles em 0 a 0, e a dificuldade que o time tem tido para se impor em casa na temporada. Me parece que tem dever de casa aí para Cuca e Cia. O São Paulo já desperdiçou muitos pontos em casa, alguns inaceitáveis, e menos mal que a boa campanha como visitante tem compensado isso. Mas precisa corrigir se quer mesmo brigar pelo título e mesmo por G4.

Paciência

Empates como o de sábado testam os nervos da torcida. Mas é preciso ter paciência, pois já está claro que o São Paulo achou um caminho e está em evolução, e dessa forma é hora de apoiar o time, e não de cornetar. Antony, por exemplo, teve uma atuação pra esquecer contra o Grêmio, mas as críticas a ele foram exageradas. O menino é diferenciado, e o futebol está cheio de casos de jovens talentos que tiveram períodos de muitos questionamentos na chegada ao profissional. Dar confiança é essencial para que ele faça a diferença em campo.

Absurdo

O São Paulo tem jogo importante no sábado contra o Inter no Sul, que ficou ainda mais importante após o tropeço em casa contra o Grêmio. O Colorado pode poupar titulares no caso de confirmar no meio de semana a vaga na final da Copa do Brasil, mas o Tricolor pode ter um caminhão de desfalques e desperdiçar uma boa oportunidade de pontuar em um jogo difícil. Por isso, é obrigatório que os lesionados retornem e, em relação às seleções, já que Tite nos tirou Daniel Alves, não dá para entender, e nem aceitar, que o clube libere Igor Gomes para ir completar treino da CBF. Depois, não adianta reclamar…


Rodrigo Braga. Tenho 40 anos, sou um paulista, paulistano e são-paulino radicado em Santa Catarina, onde há mais de 20 anos atuo como jornalista. Fui editor de esporte e participei de coberturas de Copa do Mundo, Jogos Pan-Americanos e outros eventos internacionais. Sou louco por futebol, mas, principalmente, sou louco pelo São Paulo Futebol Clube.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site






Foto: Rummens

Comente com sua conta do Facebook: