São Paulo foi São Paulo. Finalmente!

A TRIbuna do Braga é escrita pelo Rodrigo Braga em todas às sextas.

“Entre os grandes, és o primeiro”

Está no nosso hino, é a essência da nossa história. Mas há tempos o São Paulo parecia ter se esquecido disso. A movimentação recente no mercado parece ter recolocado as coisas nos trilhos. A chegada de Daniel Alves não chega a ser surpreendente porque de certa forma era especulada há pelo menos seis meses, mas até então era tratada como sonho improvável no momento. Trazer um jogador de primeira prateleira do futebol mundial no auge técnico só se compara ao que fez o Flamengo em 1995 ao repatriar Romário. Sem comparar os jogadores, por favor, mas sim o tamanho das transações. Mesmo quando o mesmo Flamengo trouxe Ronaldinho Gaúcho em 2011, ele já vivia fase descendente na carreira. Dani Alves, mesmo aos 36 anos, nunca jogou tanta bola como nos últimos dois anos. E detalhe, o auge é agora.

Com a contratação que virou notícia no mundo inteiro, o São Paulo voltou a agir como São Paulo Futebol Clube no mercado, trazendo jogadores que possam honrar o tamanho e a história do clube. Só isso já fez um bem danado ao ego do torcedor que andava bem surrado. Agora é esperar para ver na prática o resultado de tamanha ousadia. O São Paulo não cresceu muito ao trazer Daniel Alves. O São Paulo voltou a ser do tamanho que nunca deveria ter deixado de ser. Só isso.

“Entre os grandes, és o primeiro”. Está no nosso hino, é a essência da nossa história. Mas há tempos o São Paulo parecia ter se esquecido disso. A movimentação recente no mercado parece ter recolocado as coisas nos trilhos. A chegada de Daniel Alves não chega a ser surpreendente porque de certa forma era especulada há pelo menos seis meses, mas até então era tratada como sonho improvável no momento. Trazer um jogador de primeira prateleira do futebol mundial no auge técnico só se compara ao que fez o Flamengo em 1995 ao repatriar Romário. Sem comparar os jogadores, por favor, mas sim o tamanho das transações. Mesmo quando o mesmo Flamengo trouxe Ronaldinho Gaúcho em 2011, ele já vivia fase descendente na carreira. Dani Alves, mesmo aos 36 anos, nunca jogou tanta bola como nos últimos dois anos. E detalhe, o auge é agora.

Com a contratação que virou notícia no mundo inteiro, o São Paulo voltou a agir como São Paulo Futebol Clube no mercado, trazendo jogadores que possam honrar o tamanho e a história do clube. Só isso já fez um bem danado ao ego do torcedor que andava bem surrado. Agora é esperar para ver na prática o resultado de tamanha ousadia. O São Paulo não cresceu muito ao trazer Daniel Alves. O São Paulo voltou a ser do tamanho que nunca deveria ter deixado de ser. Só isso.






Juanfran

Custei a entender a vinda do espanhol Juanfran. Mas entendi. Além de trazer um líder fora de campo, um exemplo vencedor, a ideia é ele jogar na linha defensiva (inclusive na esquerda quando precisar), liberando uma segunda linha mais ofensiva, com a participação de Daniel Alves (ele jogou mais assim no PSG na última temporada do que de lateral-direito). Em outra situação, os dois veteranos podem se revezar em períodos com mais jogos, o que não é o caso do Tricolor até o final do ano. Diante dos fatos, estou convencido de que foi mais uma tacada certeira.

Raí

O Terror do Morumbi tinha prometido que não ia aceitar passivamente a situação em que estava o clube. Falou que ia agir, e agiu. Mesmo quando apanhou de forma injusta por estar em Roland Garros e agora sabemos estava viabilizando tudo que recebemos agora. Raí é enorme na história do São Paulo, e segue provando isso todo dia.

Escalação

Quem nas últimas horas não brincou de escalar o time, né? A verdade é que o elenco encorpou muito e ganhou várias possibilidades interessantes. A que eu mais gostei, pessoalmente, é a de colocar o Tricolor em campo num esquema 4-5-1: Volpi; Juanfran, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Tchê Tchê, Hernanes, Dani Alves, Everton (Pato) e Antony; Pablo (ou mesmo Pato) na frente. Haveria ainda boas opções no banco. É um time que não deve nada para nenhum outro no país. Se é já para esse ano, ou se é para o ano que vem e os próximos, só o tempo poderá nos responder.

Duas perguntas

Será que vem mais gente? E de onde apareceu tanto dinheiro?


Rodrigo Braga. Tenho 40 anos, sou um paulista, paulistano e são-paulino radicado em Santa Catarina, onde há mais de 20 anos atuo como jornalista. Fui editor de esporte e participei de coberturas de Copa do Mundo, Jogos Pan-Americanos e outros eventos internacionais. Sou louco por futebol, mas, principalmente, sou louco pelo São Paulo Futebol Clube.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Comente com sua conta do Facebook: