Caminho do Tri-Hexa: ressaca pós-eliminação

Após a eliminação dolorida na última quarta-feira pela Libertadores, o São Paulo voltou as suas atenções ao Campeonato Brasileiro. O adversário na tarde de 25 de maio (domingo), foi o Coritiba no estádio do Morumbi. O Tricolor somava apenas 1 ponto em seis disputados.

O jogo

O técnico Muricy Ramalho escalou os seus titulares, mas sem o Imperador Adriano, convocado pelo técnico Dunga para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

O treinador promoveu o esquema 4-4-2, com Joílson e Richarlyson nas laterais, Zé Luís e Fábio Santos de cabeças de área e liberou Hernanes para atuar ao lado de Jorge Wagner na armação. No ataque, Borges e Aloísio formaram a dupla ofensiva.

No começo do jogo, o tricolor tomou a iniciativa da partida e atacava pelo lado esquerdo, característica forte da equipe naquela temporada.

Por outro lado, o time paranaense veio ao jogo postado com 3 zagueiros (Maurício, Nenê e Douglas Silva) e avançava em velocidade pelos lados, com Michael (destaque do Campeonato Paulista de 2008 pelo Guaratinguetá). 

O primeiro gol da partida.

Aos 14 minutos da primeira etapa, o próprio Michael livrou-se da marcação de Richarlyson pela direita, e chegou rápido na grande área, e com um passe, tirou a marcação de três defensores e achou Rubens Cardoso, sozinho, frente a frente com Rogério Ceni para abrir o placar.

O Coritiba fez 1 a 0 e obrigou o São Paulo a correr atrás do marcador.

Empate rápido

A reação foi aos 26 minutos, pela esquerda, Jorge Wagner cruzou, o arqueiro Edson Bastos afastou mal e a bola bateu em Aloísio e sobrou limpa para Borges, com oportunismo, empurrar para o gol vazio, igualando o marcador em 1 a 1.

Após o gol, o São Paulo teve chances para virar o jogo, principalmente pelas laterais. Aos 32 minutos, após boa escapada de Zé Luís pela direita, o volante cruzou e Aloísio cabeceou sozinho em cima do arqueiro adversário. Aos 40 minutos, Joílson arrematou na trave e quase virou.

Na segunda etapa, o Clube da Fé, foi para cima e aos 4 minutos em boa jogada na entrada da grande área, Jorge Wagner finalizou de perna direita e Edson Bastos defendeu.

Aos 25 minutos, em chute de Borges, a pelota passou perto e logo em seguida, com Aloísio, de longa distância, forneceu perigo a meta adversária.

Depois, Muricy Ramalho promoveu as entradas de Dagoberto e Hugo nos lugares de Joílson e Hernanes – com atuação abaixa da média – com a intenção em dar mais movimentação à equipe. Até surtiu efeito nos minutos seguintes. Aos 37 minutos, em bola cruzada, Hugo chegou inteiro na jogada e atrás dos defensores na área, pegou no susto a bola e finalizou sem eficiência para fora.

Mesmo com maior números de finalizações, por parte dos são-paulinos no duelo, 14 (SPO) contra 6 (CTB), não resultou em gols. Porém, muitos erros de passe de ambas as equipes, 41 (SPO) e 49 (CTB) e com isso, a dificuldade para colocar a bola no chão ficou evidente. Nos desarmes, o destaque foi para o embate entre os 22 do São Paulo e os 31 do Coritiba.

O confronto terminou empatado no Morumbi e sob vaias dos 5.027 são-paulinos que foram ao estádio apoiar o time na partida. A equipe, ainda não venceu em três jogos no torneio e chegou a 2 pontos na tabela, com 2 empates e 1 derrota.

Na rodada seguinte, o São Paulo encara o clássico contra Santos na Vila Belmiro no domingo seguinte.

Você lembra deles?

Aos 16 minutos da segunda etapa, Marlos entrou no lugar de Henrique Dias no Coritiba. O meia-atacante rápido e habilidoso chegou ao São Paulo em 2009 com contrato de 5 anos. Entre altos e baixos, teve relação entre amor e ódio com a torcida. Teve seu apelido referido a “Lionel Marlos” em comparação ao craque argentino do Barcelona pelo porte físico e por atuar na mesma posição. Foi vendido ao Metalist Kharkiv, da Ucrânia no dia 6 de janeiro de 2012 por U$ 5 milhões (cerca de R$ 9,2 milhões). Em 2014, se transferiu ao Shakhtar Donestk, seu clube atual. Atualmente com 31 anos, tem cidadania ucraniana. Com isso, optou por atuar e defender a seleção da Ucrânia.

Na temporada de 2008, o treinador Dorival Júnior comandou o Coritiba. Após 9 anos, chegou ao São Paulo em julho de 2017 e fez parte da campanha que livrou à equipe do rebaixamento naquele mesmo ano. Com uma passagem irregular, foi demitido em março de 2018, após o revés no clássico contra o Palmeiras pelo Campeonato Paulista. No total, Dorival comandou o São Paulo em 40 jogos, com 17 vitórias, 11 empates e 12 derrotas. Aproveitamento de 51,6% dos pontos.

Na última quarta-feira

…pela Copa Libertadores da América, o São Paulo perdeu para o Fluminense por 3 a 1 no Maracanã e foi eliminado nas quartas-de-final do torneio.

Apesar da vantagem no jogo de ida (venceu por 1 a 0), o Tricolor poderia perder por até um gol de diferença. Mesmo com o tento feito por Adriano na partida, os comandados de Muricy sofreram três gols, sendo que o terceiro dos cariocas, aconteceu nos acréscimos do duelo. Revés que a equipe do Morumbi sentiu muito ao longo dos dias e principalmente afetou o astral no confronto diante do Coxa.

A Libertadores de 2008 acabou para o São Paulo após 10 jogos, com 5 vitórias, 3 empates e 2 derrotas. Uma fase de grupos complicada e o artilheiro do Tricolor na competição foi Adriano, com 6 gols.

Ficha técnica

São Paulo 1 x 1 Coritiba – 3ª Rodada

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Joílson (Dagoberto, aos 33min do 2º tempo), Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Zé Luís, Fábio Santos, Hernanes (Hugo, aos 32min do 2º tempo) e Jorge Wagner; Borges e Aloísio.
Técnico: Muricy Ramalho

CORITIBA
Édson Bastos; Maurício, Douglas Silva e Nenê; Pedro Ken, Ale, Rubens Cardoso, Michael (Guaru, no intervalo) e Ricardinho; Henrique Dias (Marlos, aos 16min do 2º tempo) e Hugo.
Técnico: Dorival Júnior

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: Domingo 25/05/2008
Horário: 16 horas
Árbitro: Wagner Tardelli Azevedo (SC)
Público: 5.027 pagantes
Renda: R$ 93.630,00.
Gols: Rubens Cardoso, aos 15min e Borges, aos 26min do primeiro tempo

Melhores Momentos

Confira os jogos anteriores

1ª Rodada – São Paulo 0 x 1 Grêmio
2ª Rodada – Athletico 1 x 1 São Paulo


Alan Ribeiro Gomes. Tenho 27 anos, formado em Jornalismo e atualmente faço graduação em Educação Física. A torcida pelo São Paulo Futebol Clube iniciou através de meu pai desde criança. A partida decisiva da final do Campeonato Paulista de 1998 foi um dos grandes marcos em minha vida. Ao longo dos anos, a paixão pelo tricolor só aumentou, independente de vitórias ou derrotas. Acompanhar o Clube da Fé é algo que faz parte da minha vida.

Foto: GloboEsporte

Comente com sua conta do Facebook: