Belmonte fala sobre jogadores formados na base que não quiseram renovar com o São Paulo

Foto: Staff Images / CONMEBOL

O São Paulo perdeu recentemente o zagueiro Luizão, que tinha contrato com o clube até o fim de janeiro de 2023, porém fechou contrato com o West Ham, da Inglaterra. Para ser liberado de imediato, o Tricolor ainda ficou com 15% dos direitos econômicos do jovem atleta, para conseguir lucrar em uma possível venda futura.

As tentativas para tentar a renovação ocorreram, mas a vontade do jogador era de ir para um clube europeu. O mesmo aconteceu com o atacante Marquinhos, que foi vendido ao Arsenal por 3,5 milhões de euros em junho deste ano.

Segundo o diretor de futebol do clube, Carlos Belmonte, a renovação também foi proposta ao atleta, todavia, não foi aceita e ele acabou se transferindo ao time inglês.

“Quem nós não conseguimos renovar, e aí é uma questão do atleta. A mesma situação foi com o Marquinhos. Nós também buscamos a renovação desde o primeiro minuto, mas não quis renovar. O Marquinhos foi fundamental para que a gente passasse pelo Racing na Libertadores 2021, um jogo na Argentina, dificílimo. Depois ainda conseguimos fazer uma venda que, para um menino da idade dele, foi uma venda muito boa naquele momento”.

Também afirmou: “Luizão, desde que chegou ao profissional, não quis renovar. Conversamos com o Rogério e perguntamos: “Vamos usar ou vamos devolver para a base?”. O Rogério, naquele momento, achava que precisávamos ter o jogador no elenco. Ficamos o ano inteiro buscando essa renovação, e essa renovação não veio, e o Luizão foi embora, ficamos com um percentual na negociação”.

Siga-nos no Instagram, no YouTube e no Twitter.

Fonte: Rafaela Cardoso / Terra

Compartilhe esta notícia