Castigado pelo calendário, o Tricolor tem oito atletas lesionados (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)Castigado pelo calendário, o Tricolor tem oito atletas lesionados (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Às vésperas de voltar a disputar a Copa Libertadores, o elenco são paulino vem sendo castigado pelas lesões. Para Lugano, um dos principais culpados disso é o extenuante calendário brasileiro, que não dá tempo para os atletas se recuperarem das partidas e, assim, tira a pujança dos clubes do país.

O São Paulo, por exemplo, irá jogar na tarde deste domingo e já voltará a entrar em campo pouco mais de 72 horas depois para disputar a semifinal do torneio continental. “Deve ser por isso que, nos últimos três ou quatro anos, os times brasileiros não competem com a mesma força na Libertadores”, apontou o zagueiro. “Se os clubes querem voltar a ser protagonistas, precisam debater esse tema”, completou.

Desde que se garantiu entre os quatro melhores da competição sul-americana, o Tricolor tem tido dificuldade para fazer uma sequência de jogos com a equipe considerada titular no Brasileirão. Hoje, o clube tem oito atletas lesionados. Os que mais preocupam Bauza são Kelvin e Ganso, ambos sofreram estiramento no músculo da coxa.

Apesar de todos os problemas, Lugano já está acostumado a superar adversidades na Libertadores e ter sucesso na competição. Na sua passagem anterior no Tricolor, o zagueiro chegou até a semifinal nas três vezes em que disputou a competição – 2004, 2005 e 2006 – e foi até a final nas duas últimas ocasiões.

“Por sorte, em quatro anos no São Paulo, cheguei a quatro semifinais de Libertadores. Vejo o grupo de agora muito semelhante ao de 2004, 2005, com muita vontade de fazer história no clube. Esse desejo pode fazer com que cheguemos longe. Primeiro para superar as dificuldades do São Paulo e depois para superar a melhor equipe da Libertadores, que é o Medellín”, lembrou.

Também crítico ao calendário nacional, Bauza decidiu entrar com um time reserva para a partida contra a Ponte Preta, neste domingo, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Logo em seguida, na próxima quarta-feira, o Tricolor joga, no Morumbi, a partida de ida da semifinal da Libertadores contra o Atlético Nacional-COL.


De olho na Libertadores, Tricolor visita Ponte com time reserva

Por chance na Libertadores, Wesley espera ter boa atuação em Campinas

Com a volta de Wesley, Bauza confirma time reserva para enfrentar a Ponte


Post anteriorEm Campinas, Tricolor encara a Ponte antes da semifinal da Libertadores
Próximo PostSão Paulo estreia com derrota na Copa Paulista