Calleri mira recorde e elogia atacantes rivais
Foto: Rubens Chiri/Saopaulofc.net

Apesar do pênalti perdido no último jogo do São Paulo, contra o Avaí, o centroavante Jonathan Calleri vive um momento de graça no clube. Ele é o artilheiro do Campeonato Brasileiro e a principal referência no setor de ataque do esquema montado pelo técnico Rogério Ceni. E o argentino mira voos altos: pretende quebrar um recorde histórico da competição, que pertence a outro são-paulino. Em entrevista ao Globo Esporte, ele também fez elogios a dois atacantes rivais – Hulk e Gabigol.

Um estrangeiro não é artilheiro do Brasileirão desde os idos de 1972, quando Pedro Rocha dividiu o posto com Dadá Maravilha, jogador do Atlético Mineiro. E Calleri está em busca da quebra desse longo jejum estabelecido.

Eu espero algum dia ser artilheiro do Brasileirão, mas, para mim, o mais importante é fazer o melhor aqui no São Paulo para que o time consiga todos os objetivos que traçaram quando começa a temporada. Mas com certeza um camisa 9 tem que fazer gols e eu espero algum dia virar essa história e quebrar o tabu de 50 anos de um estrangeiro não ser um artilheiro do Brasileirão“, afirmou Calleri.

No entanto, a concorrência para o posto de maior goleador é pesada, mormente pela qualidade dos atacantes rivais. Ciente disso, o camisa 9 do São Paulo fez elogios a Hulk e Gabigol, que concorrem com ele pela artilharia.

Há muita gente boa aqui no Brasil, sempre falo que Gabigol e Hulk estão muito acima da média, com nível de Seleção Brasileira. Mas os outros têm que tratar de fazer o melhor para brigar para ser o artilheiro do Brasileirão quando fechar as 38 rodadas“, indicou o argentino.

Clique aqui e confira a matéria completa do GE.com.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorSão Paulo reencontra árbitro de polêmico jogo alvo de retratação da CBF em 2020
Próximo PostOs maiores gols de falta da história do São Paulo
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.