A CBF se pronunciou sobre o lance polêmico no jogo entre Ceará e São Paulo que aconteceu nesta quarta-feira, na Arena Castelão, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Primeiramente, o que aconteceu?

No lance em questão, o volante Luan chuta e a bola que explode no jogador do Ceará, em seguida ela bate em Pablo que estava impedido, o jogo segue e Luciano fica com a bola e chuta, então, no rebote o camisa 9 do São Paulo marca.

O bandeirinha sinalizou impedimento e o gol foi para análise do VAR que validou o gol. Depois, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães autorizou o reinicio da partida, mas pediu novamente para que se esperasse uma possível outra revisão, anulando o gol.

Sálvio Spínola Fagundes Filho, comentarista de arbitragem da Globo, disse que o gol foi anulado como deveria, mas o erro está nas ações que o árbitro teve em relação ao lance.

“Depois que o jogo reinicia, não pode voltar atrás de uma decisão técnica. Pela imagem, ainda estava em revisão. Isso tem que avaliar: se ele autorizou ou não (o reinício da partida)”. Ainda disse: “Esse jogo vai ter terceiro tempo, no tribunal”.

Na entrevista, Raí disse que vai atrás dos direitos do São Paulo, ouvir os áudios, ver as imagens porque realmente ocorreu erro de direito.

“Acho que no jogo de hoje, em termos de arbitragem, a única certeza que a gente tem é que existiu um erro de direito”.

Ainda disse: “Houve um erro absurdo. Vamos querer ouvir as gravações. Quero saber por que o VAR validou e depois anulou. Acaba tirando a credibilidade da nossa arbitragem. É o 2° erro absurdo contra o São Paulo. O primeiro já foi assumido. Como é um caso raro, não tivemos tempo de levantar todas as possibilidades. O que queremos é saber tudo o que aconteceu e buscar a regra do jogo. Tivemos um jogo contra o Atlético Mineiro lá em Minas, um erro reconhecido, e o jogo não voltou atrás. Agora, o jogo recomeça e voltam atrás. A gente vai até a última instância para buscar as consequências e ver o que pode fazer”.

E, abaixo, você confere o comunicado da CBF:

“Após a análise dos áudios e imagens da cabine do VAR e dos fatos ocorridos na partida entre Ceará Sporting Club e São Paulo Futebol Clube, realizada nesta quarta-feira (25), pelo Campeonato Brasileiro da Série A, a Comissão Nacional de Arbitragem esclarece a cronologia dos acontecimentos que levaram à anulação de gol do São Paulo Futebol Clube:

1 – Importante registrar que, inicialmente, a arbitragem de campo, diante do lance concluído, marcou impedimento do atacante do São Paulo, invalidando o gol.

2 – Após a primeira checagem da jogada de ataque do São Paulo, o árbitro de vídeo informou tratar-se de lance legal, o que fez com que o árbitro central validasse o gol para a equipe visitante de forma factual, ou seja, sem necessidade de ir até a área de revisão.

3 – Constatado que haveria mais um lance a ser revisado, o árbitro de vídeo imediatamente iniciou este segundo procedimento de checagem, momento em que solicitou ao árbitro central que aguardasse o processo ser concluído para, aí sim, determinar o reinício da partida.

4 – Acontece que uma comunicação paralela, mantida entre o árbitro central e o quarto árbitro, a respeito da aplicação de um cartão amarelo para um jogador do Ceará, prejudicou a comunicação que vinha sendo mantida entre o árbitro de campo e o VAR. E fez com que o árbitro central não ouvisse a solicitação da cabine do VAR e autorizasse o reinício da partida.

5 – Imediatamente o VAR alertou ao árbitro, que interrompeu a partida para que o procedimento de checagem, que já estava em curso antes do reinício, fosse concluído.

6 – Por fim, o VAR comunicou ao árbitro central que o lance que deu origem ao gol foi ilegal e que, portanto, deveria ser mantida a decisão inicial da arbitragem de campo, que invalidou o gol de forma correta.

Diante do ocorrido, a Comissão Nacional de Arbitragem facultou aos clubes envolvidos na partida a possibilidade de comparecerem à sede da Confederação Brasileira de Futebol para os esclarecimentos que se façam necessários.”


São Paulo tem até às 22h29 desta sexta-feira (27) para entrar com uma ação junto ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pedindo a anulação da partida contra o Ceará, caso assim seja decidido pela diretoria do clube, pois foi nesse horário na data de ontem (25) que a súmula do confronto foi publicada.

Saiba mais clicando aqui.

Foto: CBF