Lucão cobra mais de R$ 5 milhões do São Paulo em ação trabalhista

Você lembra do Lucão? O ex-zagueiro do São Paulo está movendo uma ação trabalhista com o clube e está cobrando mais de R$ 5 milhões, sendo uma porcentagem desse valor referente a danos morais.

O jogador alega ter recebido um tratamento vexatório da diretoria diante da imprensa, o que o fez se sentir obrigado a se transferir para o Estoril de Portugal em 2017.

Entenda a situação

Em junho de 2017, após uma derrota do São Paulo no Morumbi por 2×1 para o Atlético Mineiro em que houve uma falha do zagueiro ele disse em entrevista ao sair de campo que logo iria embora, mesmo sem ter nenhuma proposta para sair.

A diretoria entendeu que a situação ficou insustentável e por isso multou o jogador em 20% do salário, sendo que na ação movida contra o Tricolor ele também cobra esses valores. Depois dessa declaração ele não atuou mais com a camisa do clube.

Então, foi emprestado ao Estoril em agosto de 2017, retornando em junho de 2018 devido a uma lesão no joelho esquerdo.

Por contrato, em caso de lesão, quem ficaria responsável por pagar os salários do atleta durante toda a recuperação era o clube português. No entanto, Lucão agora cobra os valores referentes a esse período do São Paulo, onde, aliás, ele preferiu se tratar quando se lesionou.

O Estoril pagou os dois primeiros meses que estipulou que seria o tempo de recuperação que acabou se estendendo por mais sete meses em decorrência de uma cirurgia.

O São Paulo alega que entre abril e junho de 2019, período em que ele esteve liberado pelos médico até o fim do seu contrato, foram pagos corretamente os salários pelo clube.

Lucão alega também que recebia uma parte da remuneração “por fora” e cobra uma indenização e pede que esses valores sejam incorporados aos salários, e isso refletiria em outras remunerações como férias, 13º, INSS, FGTS e verbas rescisórias. 

Não termina aí, o jogador também afirma que foi jogar em Portugal com um salário menor do que o que recebia no Tricolor, então quer receber também a diferença.

Em resposta à alegação do atleta de ter sofrido danos morais, o São Paulo anexou a publicação que o próprio Lucão fez em suas redes sociais ao deixar o clube dizendo se grato. Esse post foi apagado.

Como está o processo?

Aconteceu uma audiência em março e outra deveria acontecer esse mês, sendo adiada para agosto devido à pandemia do Covid-19.

Sobre o caso, o jogador se pronunciou em suas redes sociais por intermédio de uma nota oficial.

Confira na íntegra:

“Venho por meio desta nota oficial esclarecer alguns pontos das notícias envolvendo meu nome.

Eu tenho grande admiração e gratidão pela Instituição São Paulo Futebol Clube. Cheguei em Cotia ainda com 12 anos e deixei o clube com 23 anos. Mais de uma década de dedicação ao clube, com vitórias, títulos, derrotas, partidas boas e ruins, afinal, fazem parte do jogo.

Depois de um certo tempo na equipe principal, sofri perseguições que vinham diretamente da presidência, a partir do momento em que não aceitei algumas negociações. Nunca tive problemas com treinadores e companheiros de equipe.

Fui obrigado a treinar separado por algum tempo. Fiquei sem receber durante oito meses, e fui obrigado a reduzir mais da metade do meu salário, quando emprestado, para que aceitassem a proposta de empréstimo ao futebol português.

Tenho muito respeito pelo torcedor, e esclareço que de forma alguma estou pedindo danos morais por conta de humilhação de torcedores, como deixaram a entender alguns veículos de comunicação, afinal, todos os torcedores têm direito de se expressarem das arquibancadas de forma positiva (aplaudindo) ou negativa (vaiando).

Sempre tive um enorme carinho e respeito por todos os funcionários do clube, em especial ao departamento médico e fisioterapêutico, que fizeram um excelente trabalho na minha recuperação do joelho, e pela Instituição que me deu a oportunidade de me tornar jogador profissional e servir todas as categorias de base da Seleção Brasileira.

Contudo, quero apenas o que é meu de direito, e isso tentei resolver por inúmeras vezes, sem sucesso, e fui aconselhado pela própria diretoria, de forma sarcástica a buscar meus direitos na justiça trabalhista, e assim estou fazendo.”

Fonte: LANCE!
Foto: Rubens Chiri / São Paulo FC

Comente com sua conta do Facebook: