Possível inversão de mando de jogo levanta questionamentos

O São Paulo conseguiu terminar a primeira fase do Campeonato Paulista. Era pra isso ser apenas uma notícia corriqueira, mas não. A classificação veio na última partida, diante do RB Brasil no último domingo (11), no Morumbi. A vitória sobre o time sediado na região de Campinas, mais o empate do São Caetano, fizeram com que o Tricolor ficasse na liderança, com o time do ABC terminando na segunda posição.

De acordo com o regulamento, o São Paulo, por ser o líder do grupo, decidiria a vaga para as semi-finais em casa, após o jogo de ida ser em São Caetano. No entanto, as coisas podem mudar.

Mando da FPF

Acontece que, como todos os quatro grandes terminaram a primeira fase liderando seus grupos, todos jogariam as partidas da volta na capital paulista, o que é sabidamente perigoso. Como o São Paulo está numa fase sensacional, com a sorte do nosso lado e estamos longe de qualquer crise, adivinha? Os mandos de campo entre São Paulo e São Caetano poderão sim ser invertidos.

Mas por que justo o São Paulo? Simples. Mediante o regulamento (assinado e consentido por todos os 16 clubes participantes), os mandos de campo da fase de mata-mata não pertencem aos clubes, mas sim à FPF. Ou seja, ela pode intervir como quiser em cima disso. E mais, como o São Paulo foi o pior dentre os grandes do estado, é ele quem acaba tendo esta desvantagem.






Quer dizer, o São Paulo “se mata” para conseguir ficar com a liderança, mas aí a Federação vem e coloca tudo por água abaixo. Não questiono a atitude da FPF em si, até porque ela estaria zelando pela segurança, mas questiono o planejamento. Poxa, vão me dizer que ninguém imaginava que os quatro grandes não terminariam nas primeiras posições de seus grupos? Claro, pode acontecer o contrário, mas a probabilidade é menor. Deveriam ter estipulado datas diferentes para isso. Não concentrar os jogos da volta na mesma data, sabendo que a capital receberia os quatro jogos.

Mas, enfim… teremos que aguardar a decisão da Federação, até porque há apenas a ideia, não alguma ação já determinada. Acredito e muito que as datas serão dividas em dois, talvez três dias para que não haja confronto nos entornos do transporte público metropolitano e etc.

Sobre os questionamentos citados no título desta minha coluna, foi algo debatido entre nós, da equipe do AT, a respeito do formato do campeonato, bem como o calendário que vivenciamos hoje em dia. Por exemplo: alguns de nós defendem a tese de que deveríamos diluir os times do interior em um campeonato entre eles, pegando os melhores classificados e fazendo um quadrangular contra os quatro grandes, algo parecido com aquele Super Campeonato Paulista, que o São Paulo foi campeão em 2002, contra o Ituano. Outros defendem até mesmo a extinção do Estadual, mas apenas para os grandes e outros defendem a alteração no formato para pontos corridos. Enfim, ideias existem aos montes e nós gostaríamos de saber qual a sua opinião, caro leitor. O que você sugeriria para a FPF/CBF sobre estas hipóteses? Mudaria algo? Acha que assim está adequado e assim que tem que ser? Opine! Participe dessa conosco!

Por Igor Martinez

Comente com sua conta do Facebook:

Confira outras notícias no Arquibancada Tricolor