Foto: Rubens Chiri / São Paulo FC

O técnico Fernando Diniz foi demitido do SPFC no dia 1º de fevereiro de 2021 depois de uma sequência negativa de jogos do Tricolor que resultou na perda da liderança do Campeonato Brasileiro de 2020.

Depois que ele saiu, o presidente Julio Casares optou por deixar Marcos Vizolli como interino até a escolha de um novo treinador, que foi Hernán Crespo, que foi oficializado como novo técnico do Tricolor no dia 12 de fevereiro.

Contratado na semana passada e apresentado oficialmente como novo treinador do Santos nesta segunda-feira (10), Fernando Diniz respondeu às perguntas de alguns jornalistas e falou sobre o trabalho de mais de um ano no SPFC e como o time caiu de rendimento na etapa final da temporada, e disse que talvez se não tivesse sido demitido a equipe poderia ter ficado com o título nacional.

“São Paulo oscilou, mas a gente descia e subia cada vez mais forte. Se eu não tivesse saído, talvez subíssemos e conquistássemos o título. Evoluímos em termos de resultado, perto de duas conquistas, e quero fazer história diferente no Santos”.

O treinador ainda disse: “Futebol não se responde ao simples como acham. Não vencemos ou perdemos pelo estilo de jogo. É a ponta do iceberg, vai além. Fui responsável pela ascensão e declínio do São Paulo. Assisti aos jogos até 20 vezes para melhorar a condição tática e não se acha fácil. Há relações, estilo sempre se aprimora. Podemos melhorar, claro, mas são coisas sutis. Na maneira que eu enxergo futebol, há coisas mais importantes que o caminho fácil. Podemos pensar que estamos acertando e mexer no que já era positivo. Refleti muito sobre o último trabalho e melhorando. Hoje vem um técnico melhor”.

O Tricolor terminou o Brasileirão na quarta colocação com 66 pontos, cinco a menos que o Flamengo, que foi o campeão do torneio.

Fernando Diniz foi técnico do SPFC em 74 jogos, somando 34 vitórias20 empates e 20 derrotas.

Veja como a coletiva abaixo ou clicando aqui:

Post anteriorComo foi o desempenho da Ferroviária na primeira fase do Paulistão
Próximo PostEm busca de centroavante, Crespo vê Vitor Bueno se destacar
Vanessa Dias, 25 anos e sou de Araras, interior de São Paulo. Formada em Relações Públicas, especialista em Mídias Digitais e apaixonada por futebol desde que me conheço por gente. Sou parte do time desde o começo de 2018, onde trabalhamos todos os dias para que a torcida esteja sempre em conexão com o clube do coração.