Shaylon volta a ter chance e busca espaço no setor da irregularidade
Foto: Rummens

Neste domingo, o treinador Rogério Ceni viveu mais um capítulo na busca por um ala direito. O treinador novamente deu oportunidades para Orejuela, porém, o colombiano não fez um grande primeiro tempo e a parte física pesou. Ceni então precisou mexer, assim como nos outros jogos de sua gestão, porém, dessa vez optou por dar oportunidades para um novo jogador.

Trata-se de Shaylon. O jogador que fez essa função nos tempos de Goiás entrou pelo lado direito e fez uma parte razoável. O nível da posição ajuda o jogador, pois, mesmo sem uma partida brilhante, pode entrar na briga pela titularidade no setor.

A partida contra o Bahia revelou um plano do comandante: “O Shaylon não é improvisação, ele jogou como ala no Goiás, tem técnica, perna esquerda boa e não chega tanto no fundo. O Igor (Gomes) fez as diagonais para chegar ao fundo no segundo tempo e o Shaylon tinha a perna esquerda por dentro. Ele entrou para dar mais qualidade técnica, mais jogo combinado jogo pelos lados”.

Com a entrada de Shaylon, Ceni passa um recado para o setor. Mesmo com dois atletas da posição, o comandante não está satisfeito e pode dar mais minutos ao meio campista.

Shaylon ainda não engrenou no São Paulo. O atleta subiu em 2015 e desde então vem buscando espaço. Em seu currículo, o atleta tem passagens pela Chapecoense, Bahia e Goiás. Nesta temporada, o jogador fez dez partidas com a camisa Tricolor e anotou uma assistência.

Com contrato até 2022, o atleta busca mais minutos com Rogério Ceni. O São Paulo enfrenta o Fortaleza nesta quarta-feira, às 21h30, na Arena Castelão. O time precisa da vitória para se afastar da zona de rebaixamento (o time tem 37 pontos e está a sete pontos da zona de rebaixamento).

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe o que de melhor acontece no São Paulo FC
Instagram
YouTube
Twitter
Canal no Telegram
Conheça a nossa Loja

Post anteriorArnaldo Ribeiro: “Se é para ter uma campanha que livre do rebaixamento, não precisava trocar treinador”
Próximo PostSão Paulo busca recuperação na segunda rodada da Nike Premier Cup
Pedro Vinicius, 24 anos e sou de São Paulo. Formado em jornalismo e especialista em jornalismo esportivo sou apaixonado por futebol desde sempre.