Jogo do “Se…” – Rogério Ceni saindo do São Paulo em 2004

Há algum tempo, comentávamos aqui na equipe sobre alguns episódios e situações na história do São Paulo, onde o “Se…” aparecia. Se tivéssemos vencido o Velez em 94, se Telê não tivesse adoecido e mais.

Surgiu então a ideia de criar alguns tópicos para brincar um pouco aqui com a imaginação e com o que poderia ter acontecido em algumas passagens importantes.

Contexto: Voltamos ao ano de 2004…

Pouco depois da eliminação nas semifinais da Copa Libertadores de 2004 para o Once Caldas, com um gol sofrido no último minuto, o Tricolor enfrentou o Palmeiras pelo Brasileirão, no Pacaembu.

A principal organizada do São Paulo marcou um protesto nas arquibancadas, vestindo-se de amarelo, em alusão a um time “amarelão”, que pipocava em jogos decisivos.

O São Paulo perdeu por 2×1, Luis Fabiano desperdiçou um pênalti e Rogério Ceni também foi criticado por ter dado rebote no gol da vitória do rival e as críticas e protestos voltaram-se aos dois principais jogadores do elenco.

Torcedores do São Paulo FC no Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu), durante partida contra o Palmeiras, válida pela décima primeira rodada do Campeonato Brasileiro 2004. Foto: Marcelo Ferrelli – Gazeta Press

Mesmo tendo sido o artilheiro do Tricolor na Libertadores, com oito gols, Luis Fabiano foi perseguido e criticado pela organizada e deixou o São Paulo rumo ao Porto.

Conhecidos de Rogério Ceni comentam que aquela partida fez o goleiro considerar muito a possibilidade de deixar o clube.

“Acusado” de ser o dono do time, Rogério teve na mesma época uma discussão com o então treinador, Cuca e a má campanha do time após a eliminação da Libertadores, culminou também com a saída do técnico.

E se Rogério Ceni deixasse o São Paulo em 2004?

Vamos então ao nosso exercício de imaginação: E se Rogério Ceni tivesse tomado a decisão de deixar o São Paulo após aquela partida contra o Palmeiras devido aos protestos da torcida?

Relembre o fatídico jogo mencionado acima

O clima era pesadíssimo e Rogério já havia quase deixado o clube em 2001, no episódio da proposta do Arsenal, da Inglaterra, que gerou um atrito com o então presidente Paulo Amaral.

O substituto: Roger

Com a suposta (e, Deus nos livre) saída de Rogério Ceni, o substituto imediato seria o goleiro reserva Roger.

Roger, o maior reserva de Ceni

Roger veio do Flamengo e foi um bom goleiro, mas com pouquíssimas chances de atuar pelo São Paulo, já que Rogério Ceni era titular absoluto.

Ao longo dos nove anos de São Paulo, Roger acumulou 51 partidas pelo clube e chegou a ser emprestado para o Vitória (após o episódio do ensaio nu na Revista G, que gerou atrito com o treinador Paulo Cesar Carpegiani) e na Portuguesa.

O goleiro que substituía Ceni em suas convocações para a seleção brasileira, chegou a ser titular na final da Supercopa Libertadores de 1997 contra o River Plate, defendendo um pênalti.

Roger seria um líder na conquista da Libertadores de 2005?

Roger seria alçado ao posto de titular nesse hipotético cenário e até possuía um bom nível técnico para se apropriar da camisa 1, mas definitivamente, não teria o mesmo impacto que Ceni teve no ano de 2005.

Imagine que naquele final de 2004, o São Paulo ainda conquistou a vaga para a Libertadores do ano seguinte e teria Roger como um dos líderes do elenco, por ser um dos mais antigos no clube.

Missão impossível?

Não seria nada fácil para o então reserva, já que 2005, foi o melhor ano para Ceni, sendo o líder do time vencedor, conquistando o Paulista, a Libertadores e o Mundial de Clubes.

Além disso, foi o ano em que Rogério Ceni mais balançou as redes adversarias (21 gols), entrando de vez na lista de maiores ídolos da história do Tricolor, sendo ainda eleito o melhor jogador da Libertadores e do Mundial de Clubes da FIFA.

A imagem que virou quadro poderia não ter acontecido

Por mais que Roger tenha sido um bom profissional e goleiro de boa capacidade técnica, seria impossível atingir o nível que Ceni alcançou naquele mágico ano de 2005.

Fica difícil até mesmo imaginar que o São Paulo pudesse ter conquistado os títulos que conseguiu, se tivesse outro goleiro e líder para comandar seu elenco nos anos seguintes.

Por onde estaria Rogério, se tivesse saído?

Rogério Ceni, atuando na Copa do Mundo de 2006

Uma coisa é certa: Ceni não teria o mesmo impacto e peso na história do São Paulo, se tivesse saído do clube em 2004.

Com 31 anos em 2004, possivelmente não teria mais a cobiça dos grandes clubes europeus para uma eventual contratação, mas teria mercado em vários países.

Somente por conta da idade e não por desempenho técnico, Rogério talvez integrasse o elenco em um clube de médio porte europeu ou no Japão.

Suposições. Ainda bem, apenas suposições

É claro que isso tudo é apenas uma brincadeira de imaginação e faremos ainda mais outros exercícios com o “Se..”, mas vale refletir aqui como quase perdemos o maior jogador do clube por algo de momento e falsas crenças.

Muitos chegavam a dizer em 2003/2004 que o São Paulo jamais voltaria a ganhar um título importante enquanto Rogério Ceni estivesse vestindo a camisa do clube.

Fica o convite para que possamos pensar melhor como muitas vezes parte da torcida pode expulsar jogadores que poderiam contribuir muito a para a história do São Paulo.

E você, já chegou a imaginar como seria o São Paulo sem Rogério Ceni e vice-versa? Deixe seu comentário abaixo e aguarde as próximas postagens dessa série!

Comente com sua conta do Facebook: