Foto: Luiz Pires Dias / VIPCOMM

Historicamente, o São Paulo é o clube mais jovem entre os paulistas. O estatuto vigente do time aponta que a sua fundação data de 1930, mas que houve uma suspensão temporária das atividades e um retorno em 1935. Já o Corinthians foi fundado em 1910, ou seja, vinte anos antes.

O primeiro confronto entre as equipes se deu em 25 de maio de 1930 – quatro meses exatos após a fundação do Tricolor. E o resultado foi uma vitória do Corinthians, no campo do Parque São Jorge, por 2×1.

De lá para cá, muita história e muitos confrontos decisivos permeiam o clássico. Inclusive, as duas equipes se enfrentaram na Copa Libertadores, com uma vitória para cada lado no ano de 2015 – 2×0 em Itaquera para o alvinegro e 2×0 para o Tricolor no Morumbi. E protagonizaram uma final internacional, na Recopa de 2013.

Mas por que o nome do clássico é Majestoso?

O ano era 1942. Em 24 de maio, São Paulo e Corinthians se enfrentavam em um Pacaembu lotado, com o maior público já registrado no estádio – 70.281 pessoas. O alvoroço se dava pela estreia de Leônidas da Silva, o Diamante Negro, que arrastou multidões em sua chegada após sua contratação ser efetuada como a maior da América do Sul à época, por 200 contos de réis.

O jogo terminou com um empate por 3×3, em uma partida bastante movimentada. No dia seguinte, o jornal Gazeta Esportiva estampou sua capa com os dizeres São Paulo x Corinthians no Choque Majestoso. E foi aí que surgiu o apelido do clássico, alcunhado pelo jornalista Tommaso Mazzoni.

Majestoso é algo que inspira respeito, admiração ou nobreza. O nome do clássico é justo, diante de tantas decisões e história envolvidos entre São Paulo e Corinthians ao longo dos anos.

Post anteriorMorumbi contará pela primeira vez com 50% de sua capacidade de público
Próximo PostNo único Majestoso disputado por Calleri, vitória do Corinthians e falha grotesca de Lucão
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.