No único Majestoso disputado por Calleri, vitória do Corinthians e falha grotesca de Lucão
Foto: Rummens

Em sua primeira passagem pelo São Paulo, o argentino Jonathan Calleri brilhou com a camisa Tricolor. Foram 31 jogos, 16 gols marcados em pouco mais de seis meses e muita luta dentro de campo. Em clássicos, contudo, o atacante não conseguiu, à época, fazer valer a sua condição de artilheiro. Foram quatro jogos, três derrotas e um empate, sem nenhum gol marcado – tabu esse quebrado este ano no clássico contra o Santos, no Morumbi.

No único Majestoso, um amargo 2×0 em Itaquera. Naquele jogo, Calleri teve boa movimentação e fazia dupla de ataque com outro argentino – Centurión. Na primeira etapa, o jogo foi bastante equilibrado, apesar de o Corinthians comandar as ações. Contudo, aos 24 minutos do primeiro tempo, em um lance grotesco, Lucão chutou a bola em cima de Mena e depois deu uma “assistência” para Lucca marcar o primeiro gol corintiano. O gol pitoresco desmontou o São Paulo.

Na segunda etapa, mais pressão do Corinthians. E, aos 42 minutos, após um escanteio alçado na área, Yago aproveitou a falha de marcação e, sozinho, encobriu o gol de Denis, decretando a vitória alvinegra. Calleri, durante o jogo, só teve uma oportunidade, de cabeça, no primeiro tempo, mas a bola chegou fraca no gol adversário.

Naquele ano, o Campeonato Paulista foi vencido pelo Santos. O São Paulo foi eliminado de forma vexatória para o Audax de seu futuro técnico, Fernando Diniz, por 4×1. O Corinthians também foi eliminado pela mesma equipe, nas semifinais, na disputa de pênaltis.

Hoje, Calleri terá a sua segunda oportunidade diante do time do Parque São Jorge. Desta feita, no Morumbi, local onde tem se dado bem como titular. Até aqui, foram dois jogos e dois gols.

Post anteriorPor que o nome do clássico entre Corinthians e São Paulo é Majestoso? | Entenda
Próximo PostDoriva, cria do São Paulo, reencontra o Morumbi como funcionário do Corinthians
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.