Nikão entende críticas que recebe como injustas.
Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

O meia Nikão chegou do Athletico Paranaense como um dos grandes reforços do São Paulo para 2022. O investimento feito pelo clube foi alto, e, além das naturais responsabilidades decorrentes das expectativas que se cria em contratações desse jaez, o jogador ainda recebeu a camisa 10 do clube – que já foi de Raí, Zizinho e Pedro Rocha. No entanto, seu desempenho tem sido alvo de críticas, que o atleta considera como injustas diante das circunstâncias.

A defesa que Nikão adota, inclusive, converge com o discurso do seu comandante, o técnico Rogério Ceni. É que, no Athletico, o jogador tinha uma preparação diferente de início de ano, tendo em vista que o clube desde 2013 joga o estadual com a equipe sub-23 – fazendo com que os profissionais tenham um tempo maior de pré-temporada.

A primeira grande diferença é que o Athletico se prepara três meses para jogar o Brasileirão. Então, há anos Nikão não faz uma pré-temporada de competição, de jogos, como está sendo aqui. No Athletico fazia 45, 60 dias de pré-temporada, para só depois iniciar alguns jogos do campeonato paranaense e começar as competições“, explicou Ceni, em entrevista coletiva após o empate por 0x0 contra o Ituano.

Nikão considera prematuras e injustas algumas críticas

Sobre as críticas que recebe por seu desempenho até o momento, Nikão, em entrevista concedida ao Globo Esporte, considera como injustas. O jogador, inclusive, perdeu algumas partidas desta temporada em razão de ter contraído a covid-19.

Algumas críticas, sim, são injustas. Até pelo tempo que estou aqui, apenas dois meses, e pelos poucos jogos que estou fazendo“, disse o jogador.

Confira a entrevista completa clicando aqui.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorNovo jogo, velho drama. Torcida Tricolor relata dificuldades na compra de ingresso
Próximo PostSão Paulo conhece grupo do Brasileirão Feminino sub-17 e conta com goleira artilheira
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.