O que está acontecendo?

A Coluna do Felipe é publicada às quintas-feiras pelo Felipe Morais e sempre trará detalhes sobre a rica história do Tricolor! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.

O jogo do São Paulo contra o Ceará, foi no mínimo, horroroso. Depois de termos visto uma aula de futebol, no sábado, quando o Flamengo não desistiu em nenhum momento e virou, de forma histórica, voltamos a realidade do São Paulo, um São Paulo que está muito, mas muito aquém do grande time que um dia foi. A história, nunca será apagada, a grandeza do São Paulo jamais será diminuída, mas o time atual, ou seja, os 11 jogadores que vestem a camisa, esse, o time, com esses jogadores (reforço para não haver dúvidas) está muito, mas muito longe do grande São Paulo, que um dia, foi modelo de sucesso, foi time que metia medo em todos, era o time, como o grande Milton Neves dizia “torcer para o São Paulo era uma grande moleza…” meu sonho era colocar esse adesivo no carro do meu pai, porém, com medo de outras torcidas quebrarem o vidro de inveja, nunca colocamos.

Jogo horroroso!

Eu não pude assistir ao jogo, mas ouvi pelo web rádio, feita por torcedores tricolores, ou seja, totalmente parcial. O que eu mais ouvia era “como esse jogador pode vestir a camisa do São Paulo?” ou “isso é jogador profissional”. A pior que eu ouvia era “nossa, estou com muito sono ao ver esse jogo…”, pois é, é isso que o São Paulo se tornou, um time que na insônia, basta ver 10 minutos de jogo para dormir! E tem gente que ainda acha que estamos no caminho certo! O São Paulo é a maior prava de que um time mal gerido fora de campo reflete dentro de campo. Basta ver a apatia dos jogadores, até mesmo a “molecada da base” que é uma das poucas boas notícias dos últimos anos, chega no time de cima, e não produz nem metade do que fez na base. Contra o Ceará, por exemplo, Igor Gomes foi um desastre, ok, nem todos os jogos ele será o jogador que esperamos.






E não me venha falar “ah, mas ele deu o passe para o gol”, em 90 minutos, acertar um passe, representa que em 90 minutos de jogo (mesmo que ele tenha ficado menos tempo) ele foi eficiente 3 segundos. Pense nisso! Mas ele é jovem e com enorme potencial, não é queimar o jogador, mas sim, mostrar a realidade de que o time está tão mal, que até a base, está entrando no mesmo barco. Basta olhar o apático Antony e seu jogo de tentativas de dribles, chutes fracos e passes de lado “ah, mas ele fez um golaço outro dia…” amigo, ganhando 100 mil por mês, jogando no São Paulo, time gigante, tri-mundial, tem que fazer 2 por jogo!

Devolvam meu São Paulo

Como Muricy sempre diz, não sabemos nem 10% do que acontece dentro do CT. E eu concordo com o grande Muricy, assim como concordo quando ele disse que “os caras lá dentro não sabem a grandeza do time” e isso vale do presidente ao roupeiro! Se soubessem o que o São Paulo representa, não iam jogar com essa “vontade toda”. O São Paulo é muito grande, e isso, vale para você, torcedor, que idolatra Reinaldo e comemora vaga na Libertadores! O São Paulo é muito grande, porra!


Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rummens

Comente com sua conta do Facebook: