#ColunaAT – Escola gaúcha matando o futebol

A Coluna do Felipe é publicada às quintas-feiras pelo Felipe Morais e sempre trará detalhes sobre a rica história do Tricolor! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.






Amigos tricolores

Está muito irritante assistir futebol no Brasil! Todos os times jogam da mesma forma, onde a defesa é o que importa! Parreira, certa vez disse que “o gol é um mero detalhe” e os técnicos acreditaram nele! Talvez, porque Romário deu uma Copa do Mundo ao Brasil, as pessoas acham que Parreira, o técnico de 1994, é um cara que conhece futebol. Conhecer, até acho que conheça, mas a prática é diferente da teoria. Celso Roth, um tremendo de um retranqueiro, foi na verdade um visionário do futebol pois hoje o que vemos é o que ele pregava há alguns anos! A imprensa que tirava sarro dele, hoje, deveria bater palmas para o percursor do futebol pragmático.

Eu fico, a cada jogo, imaginado como Telê Santana estaria agora. Se vivo estivesse, sem duvidas, estaria vendo futebol de todos os países. Ele era um apaixonado e na sua época era difícil ver jogos de fora. Espanha e Itália passavam até em TV aberta, mas hoje, com o YouTube, ele poderia ver até mais jogos do que antes. Ele, sem dúvida, estaria comparando os jogos e triste vendo que tudo o que ele lutou, do futebol bonito, do jogo bem jogado, do espetáculo, está sendo reduzido ao jogo por uma bola.

Talvez, hoje, Telê fosse comentarista de algum canal ou fosse chamado esporadicamente para participar de mesas redondas. Seu profundo conhecimento o colocaria nessa posição. Não teria mais saúde para estar a beira do campo, não teria paciência para tratar com jogadores “mimadinhos” como Robinho formou e Neymarketing chancelou. Ah, se o Nenê fizesse biquinho na mão do mestre, se Diego Souza entrava em campo com aquela barriga, se Reinaldo estaria em campo errando 98,45% dos cruzamentos.

Para o mestre Telê – esse sim pode ser chamado de mestre, o resto é no máximo professor – era preciso respeitar o torcedor que pagou para ver um espetáculo! Diante ao Fortaleza, o espetáculo foi antes de começar o jogo com a homenagem das duas torcidas ao M1TO. Em campo, mais do mesmo! Rogério, que será em poucos anos o melhor técnico do país, ainda tem algumas coisas novas para mostrar, mas não tem material humano. Cuca, tem material humano, mas entra com um 4-3-3 com 3 volantes, se colocando no patamar do “mais do mesmo” do futebol.

Entende-se que Cuca não tem o time todo a disposição, com Pato lesionado, Vitor Bueno sem ritmo, Hernanes tentando voltar a sua forma, mas 3 volantes diante do Fortaleza? Tchê-Tchê e Liziero sabem sair jogando, mas não com a mesma qualidade de um meia. Nenê, Igor, Vítor Bueno no banco. Será que os 3 estão tão abaixo? Apesar que o Vitor entrou e não disse o porquê.

O São Paulo não foge à regra!

Eu gosto do Cuca, acho um dos melhores técnicos do Brasil e com a capacidade de transformar o São Paulo de time coadjuvante a protagonista de um campeonato. Mesmo sendo muito cedo, estamos na liderança e invictos, mas ainda com um futebol bem abaixo do potencial que esse time tem! Anthony, coitado, é lateral, volante e quando chega ao ataque não tem para quem passar, pois a escola gaúcha de futebol ensina que centroavante marca volante e até recuperar a bola e o posicionamento em campo, a defesa adversária já se armou, afinal, a mesma escola ensina armar bem a defesa, prender lateral e zagueiro lá para evitar contra ataque.

O jogo fica lerdo, nenhum time “agride”- como Muricy Ramalho pregava – o outro e 1×0 se torna goleada! Celso Roth, o visionário!!! E infelizmente, estamos apenas constatando isso. O técnico no Brasil tem medo de ousar, os que fazem, perdem 3 jogos são massacrados pela mídia, na sua maioria corintiana, que aplaude o esquema medroso do futebol, muito bem aplicado por Carille. Sem dúvidas, Carille é um bom técnico, tem números para provar isso, mas pratica o mais feio futebol do país, o jogo por uma bola. E se dá satisfeito. Por mais títulos que tenha, não quero o Carille no meu time!

Antony não é lateral!

Cuca parece que está entrando no modelo gaúcho de futebol. Não quero aqui queimar o treinador, até porque eu confio nele, ele é, sem duvida, hoje, um dos 5 melhores técnicos do país! Mas entrar com 3 volantes e fazer Antony e Everton jogarem de lateral não dá! Contra o Fortaleza, deu muita raiva ver o Antony na defesa, atrás do Igor Vinicius! Caramba o moleque agora tem que fazer a função de outro? E isso ocorre com Everton e Reinaldo, o Cosplay do Tiririca!

Nivelado por baixo

Há anos, o futebol brasileiro está nivelado por baixo! O 7×1 não foi por um acaso, foi um reflexo do que somos obrigados a ver diariamente nos estádios brasileiros! O São Paulo tinha tudo, mesmo, para ser diferente com essa molecada craque que temos, junto à jogadores experientes como Hernanes, Volpi, Pato e Arboleda. Um time rápido de toque de bola com foco no gol! Tinha, mas Cuca não entra com um meia, não impõe um ritmo e ainda traz o ataque para fazer as vezes da defesa! Se não confia nos laterais, troca! Hudson pela direita dá mais segurança e liberdade ao Antony. Banco para o Igor. Na esquerda, tenta Leo mais fixo e de mais liberdade ao Everton. Se não deu certo, tenta Liziero que era lateral na base! Algo diferente mas que evite atacante cobrindo lateral! Time entra com 3 volantes e o atacante que cobre lateral?

Depois não entendem porque jogador se machuca tanto, porque tem câimbras é porque fica tanto no departamento médico! Jogador não é robô!


Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook: