Fazer o simples

A TRIbuna do Braga é escrita pelo Rodrigo Braga em todas às sextas.

Segunda-feira, o jogo São Paulo x Chapecoense se encaminhava, até o intervalo, para um roteiro muito parecido com o de outros jogos do time na temporada. Arrastado, previsível, o Tricolor era presa fácil para os marcadores, e a falta de confiança se encarregava do resto. Veio o intervalo, as mudanças de peças e em 10 minutos já vencíamos por 3 x 0. Não foi só a sorte de Cuca nas mexidas, não foi só o cochilo na marcação dos catarinenses. Foi também o fato de o São Paulo ter finalmente feito o básico em uma partida: jogadas efetivas de linha de fundo, chute a gol (inclusive de fora da área), velocidade e intensidade. A receita é simples e bem conhecida, mas fazia tempo que o Tricolor não colocava em prática. Apesar do fato de a Chapecoense ser séria candidata ao rebaixamento, a atuação do segundo tempo foi interessante. E olha que não teve nada de extravagante, foi só fazer o simples que a coisa já melhorou bastante.






Pato

Eu manteria Alexandre Pato no time titular no jogo de sábado contra o Fluminense. Sim, o time melhorou muito depois que ele saiu contra a Chape, mas não acho que a culpa foi só do atacante. Se ele não tem a mesma velocidade dos garotos, não tem faltado vontade a Pato, e qualidade todo mundo sabe que ele tem. As críticas ao jogador, via de regra, são um tanto exageradas. Com sequência e confiança do elenco, ainda acho que Pato vai entregar o que os tricolores esperam dele.

Sequência

O jogo com o Fluminense no Rio é uma ótima chance de recuperar pontos que o São Paulo desperdiçou no Morumbi. O adversário está em crise, cheio de desfalques e ainda deve poupar titulares, pois tem jogo no Uruguai pela Copa Sul-Americana contra o Peñarol no meio de semana. Depois do Flu, o São Paulo terá mais 15 dias para treinar – o jogo contra o Athlético-PR na Arena foi adiado – e quando voltar, terá mais uma sequência bem parecida com a atual pós-Copa América: clássico com o Santos e o Ceará no Morumbi, e depois o Vasco no Rio. Com foco e intensidade, dá para mudar de patamar no campeonato.


Rodrigo Braga. Tenho 40 anos, sou um paulista, paulistano e são-paulino radicado em Santa Catarina, onde há mais de 20 anos atuo como jornalista. Fui editor de esporte e participei de coberturas de Copa do Mundo, Jogos Pan-Americanos e outros eventos internacionais. Sou louco por futebol, mas, principalmente, sou louco pelo São Paulo Futebol Clube.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook: