O maior problema de Diniz é a arrogância

Já faz um ano que Fernando Diniz está no comando do São Paulo. Com a desculpa que ele precisava de tempo, de uma pré-temporada e um time competitivo, o tempo foi passando e os vexames foram ficando.

A ideia de jogo do ‘Dinizismo’ é excelente. Qualquer torcedor que ama futebol curte. Posse de bola, time no ataque e futebol moderno.

Talvez por conta disso, a imprensa passa tanto pano para o treinador, já comparado até com o Guardiola.

A grande questão, que faz todo mundo ficar indignado com o técnico não é a forma que ele pensa futebol. Mas, o abismo entre expectativa e realidade.

E deixo uma pergunta para você refletir: é possível fazer pressão alta com jogadores lentos como Reinaldo e Juanfran nas laterais?

A resposta é óbvia, mas Diniz não consegue enxergar e eu explico o motivo: arrogância.

Diniz tem uma forma de pensar o jogo, mas ao ver que seus times, ao longo da carreira até aqui, não conseguem executar o que ele pensa, o treinador não abre mão do que acredita.

Sabe aquela história de “errar é humano, insistir no erro é burrice?”. É isso que faz o São Paulo perder para o grupo de Whatsapp do Mirassol e o Binacional (com saldo de -18).

A arrogância é tanta que ele nem admite que perdeu. Diniz encontra um argumento, como: “no segundo tempo nós ganhamos”.

Muitos aqui podem me questionar e dizer: “ah, já passou um monte de técnico e não deu jeito”. Concordo e discordo, craque.

Fernando Diniz recebeu em mãos um elenco caro, que os últimos treinadores que passaram pelo Morumbi não tiveram, com Hernanes, Tchê Tchê, Pablo, Pato e o jogador mais vencedor da história do futebol e – também rei do batuque – Dani Alves.

“Ah, mas e o Leco e a política?” Interfere sim, mas outros times com os mesmos problemas não passam os mesmos vexames que o Tricolor.

Um caso semelhante é o Santos. Boas contratações, molecada da base e o caos na política interna.

O fato é que a arrogância não deixa o Fernando Diniz enxergar que o São Paulo não tem peças para jogar como ele idealiza.

E para representar o torcedor tricolor eu afirmo: você não pode tirar um dos melhores zagueiros do Brasil, o Bruno Alves, e não sofrer tantos gols.

É preciso enxergar que o Reinaldo renderia mais de ponta do que o sonolento Vitor Bueno.

E para não falar que eu só corneto, vou deixar me colocar na fogueira e deixar meu time ideal, no clássico 4-4-2:

Volpi
Igor Vinícius – Bruno Alves – Diego Costa – Léo Pelé

Dani Alves – Luan – Tchê Tchê – Reinaldo

Luciano – Brenner.

E senhor Raí, você é ídolo e sei que o São Paulo não tem dinheiro. Mas, o tricolor precisa de um jogador veloz e que rabisque pra cima do adversário. Bora olhar o mercado!

E aí, qual o seu time ideal do SPFC para sair dessa crise? Deixe seu time ideal nos comentários. 😊

Valeu seus Cañete da vida!


Gabriel Augusto. Gabriel é Redator, tem 27 anos e é um dos maiores Corneteiros de sofá do SPFC. Perfil no Twitter (@augustopontotxt)

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rummens

Comente com sua conta do Facebook: