Sérgio Mota em 2007
Foto: SPFC

Fruto da base de Cotia, o meia canhoto foi campeão Brasileiro 2007 e 2008, e teve pouco espaço no tricolor do Morumbi, foi emprestado por diversas vezes e viu seu contrato não ser renovado em 2012 

Sérgio Mello Mota, nascido em São José dos Campos, foi cria da base do São Paulo Futebol Clube, entre os anos de 2003 até 2007. Sua passagem pelo futebol era tida como promissora, o atleta fez parte do elenco juniores em 2007, que perdeu a final para o Cruzeiro, final que não jogou por estar suspenso. 

Após a Copa São Paulo de Juniores, o meio-campista foi promovido, e ganhou a chance de fazer seu primeiro jogo como profissional diante do Juventude, Jorge Wagner, titular e peça fundamental para o esquema do técnico Muricy Ramalho, estava fora do jogo. Muricy deu algumas oportunidades para o jovem 18 anos. Ao todo foram sete jogos com a camisa tricolor. 

“Ele tem qualidade, é canhoto, habilidoso é legal de ver jogar no treino. Mas precisa mostrar em campo tudo isso, tem de ter ritmo em competição. É agora que ele tem de mostrar o seu valor”, falou o comandante tricolor, para o site UOL em 2007.  

Empréstimos

Apontado como uma das grandes revelações da Copa São Paulo de 2007, Sérgio Mota teve pouco espaço no elenco principal. Entre os anos 2010 a 2012 foi emprestado para o Toledo, Ceará, Icasa, Santo André, último clube exerceu o poder de compra, e ficou com atleta em definitivo. 

Após passagem pelo Ramalhão, o atleta foi comprado pela Penapolense, do interior de São Paulo. Mas também não se firmou na equipe e voltou a ser emprestado, e foi para o América MG e Botafogo SP. Em 2015 foi comprado pela equipe norte americana, Seattle Sounders FC, Depois de 1 ano na terra do Tio San, voltou para o futebol brasileiro, sendo contratado, pelo Luverdense. No ano seguinte foi para o CRB e depois voltou para o time de Lucas do Rio Verde, o Luverdense. 

Transferência para a China

Em 2018, foi comprado pelo Vila Nova, onde fez poucos jogos e depois iniciou sua saga pelo futebol chinês. Na metade do mesmo ano, se transferiu para o Zhejiang Yiteng, equipe da segunda divisão chinesa. Período onde viveu seu auge no futebol, foram 28 jogos e 15 gols anotados. Recorde em sua carreira. 

Hoje, com seus 30 anos, ele atua pelo Guizhou Hengfeng Zhicheng, da primeira divisão, já fez 25 jogos e balançou as redes 11 vezes. Está vivendo seu auge da forma física, e está construindo seu espaço fora do país após longos anos de tentativas no Brasil. 

Confira no vídeo abaixo algumas jogadas de Sérgio Mota na China na temporada de 2018.

(Caso não consiga visualizar o vídeo, clique aqui)

“Estou na melhor fase da carreira. Sonhei que chegaria no meu melhor momento, mas não na China. Porém, desde cedo soube que o futebol muda com muita frequência e procurei me preparar para agarrar as oportunidades quando chegassem. Para a grande maioria, o futebol da China é apenas financeiro, porém eles têm investido muito, e creio que em pouco tempo as pessoas não irão pensar mais assim”, afirmou Sérgio Mota, em entrevista ao UOL Esporte.  

Retorno ao Brasil?

Questionado pela equipe do site UOL, mesmo estando bem adaptado ao clima asiático e vivendo o bom momento, Mota não descarta um retorno ao Brasil e nem fecha as portas para o time do São Paulo, clube que o projetou e deu suporte para desenvolver seu futebol.  

“Voltaria ao São Paulo, não tenho problema algum com o clube. Tenho gratidão, foi o São Paulo que me projetou. Na minha época o elenco era muito qualificado e com muitos jogadores experientes, talvez por isso a base não tinha muitas oportunidades. Tinha um relacionamento bom, mas era meio moleque, e aí não tínhamos muito diálogo”, explicou o meia. 

Você torcedor, gostaria do retorno do meia? Falta um jogador como ele para o meio campo do São Paulo? Deixe sua opinião! 

Foto: Site Oficial

Post anteriorNovidades no treino de hoje do São Paulo
Próximo PostEstreia com vitória Tricolor no Brasileiro Sub-20
Diego Monteiro, 33 anos, paranaense da cidade de Cascavel, jornalista apaixonado por futebol, São Paulo FC e resenha onde tenha cerveja gelada. Quero ser a voz do são paulino que ecoa nas arquibancadas do Morumbi. Sigam-me os loucos por futebol, que a resenha já está formada.