Foto: twitter/ Divulgação: @Brianocamp7

Após uma campanha de parte da torcida nas redes sociais, que faziam lobby para a contratação do uruguaio Brian Ocampo, o nome do jogador, de fato, chegou à cúpula do São Paulo. O uruguaio, que está sem vínculo neste momento, teve a situação monitorada pela comissão técnica do Tricolor que, no entanto, preferiu não evoluir conversas ou formalizar consultas pelas informações recebidas acerca do comportamento do atleta.

Vídeos com lances de Ocampo circularam pelas redes sociais indicando que o jogador poderia ser uma boa peça para o São Paulo, que, sem recursos efetivos, busca alternativas ou oportunidades de mercado. A campanha acabou dando certo e o clube passou a analisar o nome do jogador; contudo, de acordo com fontes do Globo Esporte, a negociação não deverá acontecer por fatores intra e extracampo.

O atacante, livre no mercado, preencheria uma carência do elenco, já que o atacante funcionaria como uma válvula de escape criativa para o ataque. O técnico Rogério Ceni já definiu o perfil do atleta que busca: rápido e que jogue pelas pontas do setor ofensivo. O uruguaio se profissionalizou em 2018 e, até aqui, marcou apenas 8 gols pelo Nacional4 deles na última temporada, em 32 jogos. O América, do México, estaria também tentando a contratação de Ocampo.

O GE.com apurou que Brian Ocampo teria tido, em 2021, problemas comportamentais dentro e fora do campo. E justamente por conta dessa instabilidade o São Paulo teria se afastado das negociações com o atleta. Apesar de se interessar pelo futebol do jogador, o Tricolor estaria em busca de peças de grupo que não representem foco de problemas disciplinares para o elenco.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorMarquinhos: “Foi bom essa folga, porque estávamos bem cansados”
Próximo PostAlexandre Mattos: “Tirei o Veiga de dentro do São Paulo”
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.