Muricy elogia Rigoni
Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Emiliano Rigoni chegou ao São Paulo a pedido de Hernán Crespo em 2021 e teve uma ascensão meteórica: nos 11 primeiros jogos, marcou 5 gols e deu 4 assistências. O argentino, de pronto, caiu nas graças da torcida e estava sendo, até então, fator de desequilíbrio da equipe. Com a chegada de Rogério Ceni, no entanto, o jogador caiu de produção, levantando questionamentos sobre o porquê da mudança de jogo do atleta. E o coordenador Muricy Ramalho falou sobre essa situação em entrevista ao canal de Jorge Nicola.

O coordenador do Tricolor considera Rigoni um jogador diferenciado. Ele disse que causa preocupação a má-fase do argentino, mas se mostrou também confiante em sua recuperação e afirmou que, atualmente, o camisa 7 vem treinando bem e teve boa atuação contra o Cuiabá, no último final de semana.

Para nós, é uma preocupação. Além de ser um grande jogador – e ele já demonstrou isso -, foi uma das melhores contratações neste nosso passado recente. É um atleta que não se sabe qual é a perna boa dele, se a direita ou a esquerda, fazia anos que não via isso. E aí tem outra coisa fundamental: ele é um cara sensacional, um baita profissional. Temos sorte com os estrangeiros que vieram; além de bons jogadores, possuem bom caráter. Rigoni é um cara que torcemos muito. Ele voltou a treinar bem. No último jogo, entrou melhor. Acho que falta um gol, por exemplo, ou um bom jogo. Ele não pode ter esquecido de jogar futebol. O grande problema às vezes é a confiança“, destrinchou Muricy Ramalho.

Confira o depoimento dele no vídeo abaixo. Ou clique aqui.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorCom reservas e bastante desfalcado, técnico do Wilstermann diz ter missão de evitar goleada no Morumbi
Próximo PostConfira o que diz a mídia boliviana sobre o jogo São Paulo x Jorge Wilstermann
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.