Brenner
Foto: Rubens Chiri / São Paulo FC

A Coluna do Felipe é publicada às quintas-feiras pelo Felipe Morais e sempre trará detalhes sobre a rica história do Tricolor! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.

Amigos tricolores.

Diferente de alguns jogadores que somem contra jogos grandes, na semana passada, Brenner mostrou que está fora dessa lista. Marcou o gol da vitória contra o Corinthians e mudou o jogo contra o Fluminense. Contra o Atlético-MG, nada pode fazer, mas ele não é o Messi ou CR7 que muda um jogo, ele é apenas um jovem com enorme potencial, que poderá um dia, ser um grande camisa 9, mas bem longe do argentino e do português.

Brenner, pode não ser um craque, mas é um jogador rápido e que tem o chamado “faro de gol”. Ele sabe se posicionar, tem boa finalização e está sempre partindo para o gol, como todo o atacante deveria fazer, mas temos um centroavante no tricolor que prefere jogar de lado, aliás, temos muitos jogadores que preferem o toque de lado, sabe aquele “para não comprometer”. Pois é, o nosso São Paulo cheio desses.

Atacante não joga sozinho

O Brenner é aquela referência, o “camisa 9” raiz. Sabe se posicionar e se a bola chegar, ele guarda. Luís Fabiano, por exemplo, era assim. Não tinha a técnica do França ou Careca, por exemplo, mas era mais talentoso que o Serginho Chulapa. Luis, precisava de 3 chances para guardar uma. Uma pena que em jogos decisivos ele não aparecia, pois poderia ter feito mais gols e ganho títulos com o time que ele tanto ama.

Müller e Careca. Bebeto e Romário. Aristizábal e Dodô. E fiquemos por aqui com duplas de grande sucesso. Sempre um complementa o outro. No São Paulo, temos Luciano para, ao meu ver, ser a dupla de Brenner. Começou muito bem, o ex-gremista, marcando gols em quase todos os jogos que participou. É um cara rápido pelos cantos, mas com talento para fazer algo diferente, bem longe do “talento” de Calazans, o atacante de zero gols na carreira, aliás, precisei pesquisar no Google para ver se ele ainda estava no São Paulo, e assim como Gonzalo Carneiro, sim, ainda estão.

Esse é o padrão Leco de contratação, que o Natel deverá repetir caso ganhe a eleição, mas vamos torcer para que isso não ocorra, não quero mais 3 anos de “time grande não cai”.

Chegou a hora de Brenner?

Não há dúvidas, que, ao analisar os últimos jogos, ele se coloca à frente de Pablo, que até o momento não justificou a contratação, sendo um cara que se entrega, mas para ser o “homem-gol” do São Paulo, que já teve Gino Orlando, Leônidas, França, Careca, Serginho, Luís Fabiano para a missão, está muito pouco. Por outro lado, é complicado analisar um jogador por alguns bons jogos. Brenner no começo, não foi muito bem, esteve no Fluminense, onde a sua carreira também não deslanchou e agora está aproveitando uma nova chance no São Paulo.

Desde a base, eu vejo ele com bons olhos, assim como também vejo Gabriel Novaes, que em 2019 fez uma excelente dupla com Anthony, mas que nunca é aproveitado pelo time principal, o que acho que merecia, uma vez que Helinho e Gonzalo tem chances.

Paulinho tem se mostrado mais confiante. Luciano parece ter dado mais liberdade e tirado a responsabilidade do garoto, com isso, ele está mais “leve” e o São Paulo tem a ganhar com isso, pois quanto mais talento em campo, maiores as chances de títulos.

A conclusão que chego é que Brenner, ainda está novo para dar uma responsabilidade em suas costas, deixando ele com a missão de fazer os gols. Ele é novo, tem um futuro brilhante pela frente, se mantiver a mesma humildade. Tendo ao seu lado caras como Daniel Alves, Hernanes, Luciano, Igor Vinícius, Igor Gomes, Paulinho e Juanfran, que podem ajudar e aconselhar, ele tem tudo para ser o camisa 9, que Pablo, até o momento não é. E com isso, nós temos muito a ganhar, mas vamos dar mais tempo ao promissor menino.


Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Post anteriorOscar de volta ao São Paulo? Jogador comenta sobre sondagem do clube
Próximo PostNegócio fechado! SBT transmitirá os jogos da Libertadores
Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br