Daniel Alves se achou no São Paulo?

A Coluna do Felipe é publicada às quintas-feiras pelo Felipe Morais e sempre trará detalhes sobre a rica história do Tricolor! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.

Amigos Tricolores.

Os últimos jogos são para elogiar a atuação de Daniel Alves. Ontem então, nem se fala! Fez gol, deu passe, comandou o time dentro de campo. Eu ainda acho que, se temos o melhor lateral do mundo, devemos usá-lo por ali, entretanto, se ele mantiver essa evolução, mudo de opinião sem problema nenhum, afinal, como Raul Seixas dizia “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.  E mudar de opinião não faz mal a ninguém.

Eu me lembro que o ex-lateral, e hoje técnico, Jorginho veio, no final da sua carreira para o São Paulo. Isso em 1999. Eu era muito fã do seu futebol, mesmo antes dele vir para o tricolor. Entretanto, ele chegou como grande contratação da época e não veio como lateral direito que era sua posição de origem. Chegou para jogar no meio de campo, como volante e não comprometeu. Não foi aquele jogador que esperávamos, mas foi bem no São Paulo. Daniel Alves, está vindo quase na mesma onda. Jorginho era um excelente lateral, talvez, na sua época o melhor do país, mas nunca foi o melhor do mundo. Daniel Alves, já foi por muitos anos o melhor do mundo e até hoje é o melhor que temos no Brasil. Ambos muito profissionais, atletas que se cuidavam e pouco se machucavam. Há muitas semelhanças entre eles.

Como 2º voltante

Daniel Alves tem jogado por ali, como um 2o volante que sai para o jogo. Tem talento de sobra para isso, excelente passe e visão de jogo. Não se chega a ser o melhor do mundo, sem ter eficiência no básico. Acho até que ele arrisca poucos chutes de fora da área, versus o talento que tem para bater na bola, algo que também acho que o Hernanes tem pecado.

Diniz rasga elogios ao Daniel Alves sobre seu profissionalismo. E isso já sabíamos. Não me lembro dele em confusões extra campo, não me lembro de polêmicas sobre ele. Nem se compara também, o profissionalismo dele, com seu “parça, Neymarketing” (que parece que cresceu e agora resolveu focar mais no futebol e menos nas baladas). Daniel é de grupo, isso é sabido, por onde passou se ouvia isso dos técnicos que o comandaram. Daniel é um cara gente boa, o legítimo “bom baiano”, como dizemos: Brincalhão fora, mas profissional dentro de campo. Pode não estar jogando tudo o que esperamos, e dificilmente, teremos no São Paulo o Daniel Alves do Barcelona ou Juventus, mas que está honrando dentro de campo, o manto tricolor, isso é fato, até porque mesmo na Espanha, ele nunca negou que seu time do coração é o nosso tricolor! E tem outra, Daniel Alves impõe o respeito que Leco conseguiu eliminar do tricolor.

Meio de campo formado

Tchê-Tchê está indo bem e Igor Gomes parece ter dado outra cara ao time. Hernanes ainda não voltou a ser quem esperamos, e o banco, agora é o mais justo para ele, apesar que na minha cabeça. Diniz poderia ousar um pouco e fugir desse esquema padrão 4-3-1-2 que o Brasil adotou e partir para o 3-5-2 ou 4-4-2, mais comuns. De 2005 a 2008 ganhamos 5 títulos com, por exemplo,  o 3-5-2, sendo Libertadores, Mundial e Brasileiros. Nenhum time no Brasil consegue jogar no 3-5-2 por exemplo, como o São Paulo. Podem até achar esse esquema antiquado, ok, mas é preciso mudar um pouco, pois o Brasil tem essa mania de eleger um esquema e ficar anos com ele. Num eventual 3-5-2, Hernanes, Daniel Alves, Igor Gomes, Pato e Pablo poderiam jogar juntos, formando um belo ataque, isso ainda tendo Antony (até Julho) e Rojas (voltando em breve) como opções para mudanças. Mas ai é com o Diniz.

De fato, Daniel Alves tem feito a diferença e espero que Diniz esteja certo quando diz que ele jogando bem, faz com que os outros joguem bem também, que é um cara de grupo e pensa de forma coletiva. Nós só temos a ganhar com caras como Igor Gomes, Daniel Alves, Hernanes, Pato, Pablo e Antony jogando bem, as chances de dias melhores, ficam mais claras!


Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rummens

Comente com sua conta do Facebook: