O que o São Paulo precisa para engrenar na temporada?

A Coluna Olhar Tricolor é publicada semanalmente por Alessio Torquato, e sempre mostrará o olhar do torcedor em diversas ocasiões! Clique aqui e veja todas as edições da coluna.

Após três rodadas do Campeonato Paulista, os times já demonstram sinais de evolução, o que precisam melhorar, desenvolver e intensificar nos treinamentos. E no Tricolor não é diferente. A equipe de Fernando Diniz demonstra sinais positivos, entretanto, o sinal de alerta tem que está ligado, entenda o porquê:

O São Paulo está invicto no Paulistão, porém, alguns velhos problemas continuam desde a última temporada, e a falta de objetividade é um deles. A equipe mantém a posse de bola na maioria do tempo, contudo, demora para chegar na área adversária e arrematar. Isso acontece por conta do meio campo e ataque São Paulino serem de jogadores de características de passe, onde cadenciam mais o jogo, utilizando menos a velocidade. A falta de jogadores como Antony e Igor Gomes, que estão na seleção olímpica, dificultam esse trabalho, pois dentro do elenco, são as duas melhores válvulas de escape do time.

Tudo bem, mesmo com essas deficiências, o tricolor consegue chegar ao gol em algumas circunstâncias, mas nem sempre as converte, ou, raramente colocam a bola dentro da caixinha. Daniel Alves no clássico contra o Palmeiras poderia ter dado a vitória no primeiro clássico do ano para o soberano, entretanto, desperdiçou a oportunidade. E assim aconteceu no jogo contra a Ferroviária com Pato e Pablo, que poderiam ter convertido suas oportunidades, para que a equipe não sofresse a pressão que sofreu no fim do jogo. A falta de efetividade do time pode ser algo que prejudique no restante da temporada.

Como nem todas as coisas são problemas, o São Paulo demonstrou alguns sinais animadores para o restante do ano. A equipe mesmo com pouco tempo de treinamento, está mais compacta, entrosada, ou seja, os jogadores um mais perto do outro e com a noção do que cada um vai fazer quando estiver com a bola, isso é repetição realizada no dia-a-dia. Repetição essa que também é realizada na saída de bola. O time quando está com a bola, começa no campo de defesa, chamando adversário para marcar pressão, desse modo, a equipe consegue ter mais espaços e com mais jogadores para atacar com velocidade. A exemplo disso, podemos listar o segundo gol da equipe contra o Água Santa, na primeira rodada.

A marcação sem a bola também tem sido consistente. É possível ver a equipe marcando em um 4-4-2, onde deixa a frente Pato e Daniel Alves, e com Vitor Bueno e Pablo fechando a primeira linha de passe. Duas linhas de defesa bem compactas, além da segurança da continuidade de Tiago Volpi, que passa tranquilidade na meta tricolor, e se mostrando muito importante na transição rápida da equipe do campo de defesa para o ataque.

De modo geral, a equipe está evoluindo, e acertando alguns erros pontuais, pode engrenar na temporada. O time ainda precisa de grandes testes, onde seu sistema seja realmente exigido, para ver como se sai, mas no futuro, pode ser que colhamos bons frutos deste trabalho que está apenas no início.


Alessio Torquato. Tenho 19 anos e sou apaixonado por música, amante do futebol e fanático pelo Tricolor. Sou são-paulino desde o berço graças a meu pai, acompanho o time desde criança, onde a paixão se mantém até os dias de hoje. Além de futebol, acompanho a NBA.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Comente com sua conta do Facebook: