Vem, Libertadores!

A TRIbuna do Braga é escrita pelo Rodrigo Braga em todas às sextas.

2020 representa muito para todos nós são-paulinos. É o início de uma nova década, que esperamos não repita os mesmos e muitos erros desta que está acabando. E é um ano de Libertadores da América, a nossa competição. O sorteio dos grupos não chegou a ser generoso com o Tricolor, mas também não foi carrasco. River Plate, LDU e o estreante Binacional não é uma chave intransponível, mas vai exigir do Tricolor planejamento muito ajustado e uma preparação impecável. Os três jogos fora de casa serão complicados: o River Plate dispensa explicações, a LDU no Casablanca de Quito é sempre dureza e o confronto com o novato time peruano será provavelmente em um estádio acanhado na cidade de Juliaca, às margens do famoso Lago Titicaca, a 3,8 mil metros de altitude – portanto, ainda mais nas nuvens do que o tradicional Estádio Hernando Siles de La Paz. Por isso, os três jogos no Morumbi serão essenciais e casa cheia é obrigação (alô, diretoria, carnê dos jogos em casa já deveria estar à venda, pra ontem!).

Outra questão é a preparação: pré-temporada intensa e com foco na estreia da Libertadores no início de março – os jogos do Paulistão podem ser usados como parte dessa preparação, mesclando a garotada com o time titular. Chegar na principal competição com o time definido e fisicamente bem (longe de contusões, por favor) é meio caminho para termos um ano ao menos de acordo com a tradição do Tricolor na Liberta.

Acaba, 2019

Já no apagar das luzes da nossa década perdida, quando parecia que finalmente teríamos um pouco de paz e tranquilidade, dois episódios sacudiram os bastidores do Tricolor. Mas não é legal colocá-los no mesmo balaio, por isso vou falar de um de cada vez.

Caso Arboleda

A polêmica envolvendo o zagueiro Arboleda, que apareceu no Instagram de um amigo vestindo camisa do Palmeiras durante as férias no Equador, enfureceu muito torcedor. É um direito, claro, ficar p da vida com o zagueirão, que cometeu um tremendo vacilo. Mas querer Arboleda fora do clube por isso beira a histeria, ilustra bem o nível de estresse com o clube que anda a nossa torcida. O equatoriano foi estúpido, e reconheceu isso: tratou de chancelar a versão de que estava “pagando uma aposta”. Por mim, ok para encerrar o caso, mas se o clube quiser multá-lo na volta aos trabalhos, também apoiarei. Jogadores de futebol, via de regra, são burros quando se trata de cuidar da sua imagem nas redes sociais. Jogador vive da parte física, claro, mas também da imagem que cultiva junto aos torcedores e admiradores. Por isso, tratar suas redes sociais de forma amadora, como Arboleda e tantos outros fazem, é absurdo. E merece sim uma punição no bolso. No mais, caso encerrado e bola pra frente, porque se em 2020 ele não mantiver o mesmo nível de atuação, a torcida não vai deixá-lo esquecer do vacilo das férias.

Caso Jean

Aqui a coisa é bem diferente. Marcado por episódios de destemperamento em sua passagem apática pelo São Paulo, o goleiro Jean (que chegou custando caro e com credenciais de que poderia ser ele o substituto de Rogério Ceni, mas que apenas foi mais um a sucumbir à maldição pós-M1TO) passou de qualquer limite aceitável em sociedade ao agredir a esposa fisicamente e moralmente (ao ameaçar as filhas do casal) durante as férias na Flórida. Como o crime foi cometido nos EUA, país que não costuma dar força à impunidade, Jean foi preso, teve que pagar fiança para sair e vai responder a um processo no país. Neste caso, a postura do São Paulo Futebol Clube foi exemplar e não poderia ser diferente: o clube aguardou as confirmações diante de tanta histeria nas redes sociais, e divulgou que vai rescindir o contrato do goleiro reserva após o término do período de férias dele, como manda a lei. A sociedade brasileira não pode mais compactuar com violência, sobretudo contra a mulher, e clubes de futebol são parte importante nesse processo para mudar conceitos enraizados.
Dito isso, vem outra questão importante: a gora, o São Paulo vai em busca de reparação financeira do prejuízo que terá com a rescisão do goleiro? A culpa do rompimento do contrato é 100% do jogador, o clube apenas ficou com o prejuízo, pois não lhe restava outra decisão, sob pena de inclusive arranhar a imagem da instituição. No mais, também não gostaria mais de voltar ao assunto: que Jean responda na Justiça pelo crime que cometeu, que pague e possa colocar a cabeça no lugar e aí quem sabe retomar a carreira no futuro.

Absurdo

O São Paulo ceder três jogadores à Seleção pré-olímpica em pleno mês de janeiro é muita boa vontade do clube com a CBF. Antony (se não for vendido até lá) e Igor Gomes são importantes para a pré-temporada do time principal, e Walce mesmo não sendo titular, também faz falta. Passou da hora de começar a dizer não para as tantas seleções, como fazem vários outros clubes.

Desejo

Que o Ano Novo traga a todos nós coisas boas, e principalmente que traga de volta o nosso São Paulo vencedor e exemplo de boa gestão. Até lá, um Feliz Natal e nos vemos em 2020.


Rodrigo Braga. Tenho 40 anos, sou um paulista, paulistano e são-paulino radicado em Santa Catarina, onde há mais de 20 anos atuo como jornalista. Fui editor de esporte e participei de coberturas de Copa do Mundo, Jogos Pan-Americanos e outros eventos internacionais. Sou louco por futebol, mas, principalmente, sou louco pelo São Paulo Futebol Clube.

*A opinião do colunista não reflete a opinião do site

Foto: Divulgação

Comente com sua conta do Facebook: