Diretor fala sobre polêmico período da saída de Daniel Alves
Foto: Miguel Schincariol / saopaulofc.net

Passado quase um ano da saída de Daniel Alves do São Paulo, o polêmico caso ainda repercute. O jogador, que chegou com pompas e foi apresentado em um Morumbi lotado e com a presença de ídolos, deixou o clube por dívidas contratuais e hoje defende o Barcelona. Segundo Eduardo Toni, diretor de marketing do Tricolor, a situação dele era uma “missão quase impossível“.

O diretor concedeu uma entrevista ao UOL Esportes e falou sobre o período em que Dani Alves ainda estava no São Paulo. De acordo com Toni, o clube perdeu o timing na resolução do negócio com o lateral. E disse que o assunto nunca foi a prioridade da gestão.

Quando eu cheguei aqui já tinha um ano e meio, praticamente, da chegada do Daniel Alves. E eu acho que o São Paulo perdeu o timing. Aí no meio da pandemia, de todas as crises que o mercado apresentava, era praticamente impossível. Não é que a gente não olhou para esse assunto, mas nunca foi a nossa prioridade porque era realmente muito difícil fazer isso“, afirmou o diretor.

O diretor, que foi responsável pelo considerável aumento da verba de patrocínios do Tricolor, esteve recentemente presente na coletiva de anúncio da parceria com a Bitso. Ele ressaltou que, apesar de o clube estar sempre atento a grandes jogadores, jamais repetirá o erro de anunciar um grande nome para só depois correr atrás de investidores.

“A gente jamais vai trazer um jogador para depois correr atrás do patrocínio”, afirmou Eduardo Toni.

Confira a entrevista completa clicando aqui.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorConfira 5 jogadores que passaram pela base do São Paulo e você provavelmente não se lembra
Próximo PostSão Paulo soma 90 milhões anuais em patrocínios
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.