Foto: André Durão

Segundo apuração do Globo Esporte, o São Paulo teria criado uma lista com 36 nomes aprovados pela comissão técnica como reforços ideais para 2022. A pretensão do clube é de contratar pelo menos seis jogadores para qualificar o time e, para tanto, teria uma relação de 14 atletas do elenco que poderiam ser utilizados como moeda de troca.

O nome mais bem avaliado dessa lista é o do atacante Pedro, do Flamengo. O jovem, que usa a camisa 21 do clube rubro-negro, no entanto, é descartado como possibilidade em razão dos valores envolvidos e das dificuldades na negociação – haja vista que o Flamengo não tem pretensões de cedê-lo a um rival.

Veja também:
Confira quem não ficará no São Paulo para a próxima temporada

Nessa toada, o nome de Douglas Costa surgiria como menos improvável. Com o Grêmio rebaixado e a relação desgastada com a torcida, o jogador teria caminho livre para negociar com o Tricolor. O que pesa na concretização é o valor do salário, muito semelhante ao de Daniel Alves. O clube, contudo, busca parceiros que possam arcar integralmente com os vencimentos do atleta, que teria o aval da comissão técnica.

Na lista, há a presença de outros nomes – alguns ventilados ao longo da semana como possíveis reforços. Eles estariam separados por critérios técnicos e a lista estaria por posição. Ao lado dos nomes dos atletas, seguiria a viabilidade e o “ranqueamento” pela ordem de interesse do clube. O topo da lista é ocupado justamente por Pedro, que é avaliado em 7 milhões de euros e considerado inviável pela direção.

Até o presente momento, o São Paulo, apesar de muito ativo nas especulações de fim de ano, não contratou efetivamente nenhum jogador.

Tudo sobre o Tricolor!

Siga o Arquibancada Tricolor em suas redes sociais e acompanhe tudo sobre o São Paulo FC:

Instagram | YouTube | Twitter | Canal no Telegram | Conheça a nossa Loja

Post anteriorJogando em casa, São Paulo vence o Mogi pelo NBB
Próximo PostReunião do Conselho dura duas horas e resultado de votação fica para hoje
Matheus Tévez é formado em Direito pela UFBA, cursa Letras, além de ser professor, escritor e articulista. Mas a sua grande virtude é ser são-paulino doente desde os tempos em que Válber doutrinava na zaga.