Na incerteza sobre o material esportivo, a Under Armour pode ser uma saída ao Tricolor.

A empresa norte-americana havia divulgado a intenção de rescisão de contrato com o São Paulo, alegando prejuízos pela baixa venda de artigos e altos valores fechados no contrato com o Tricolor em 2014, quando o mercado vivia um momento distinto.

O contrato, segundo noticiado na época, previa um pagamento de R$ 15 milhões em dinheiro por ano ao Tricolor e o equivalente a R$ 12 milhões por ano em materiais esportivos.

O que algumas fontes ligadas a empresa alegavam é que o desempenho de vendas aos torcedores do São Paulo gerava prejuízo à companhia e, por outro lado, o São Paulo pleiteava um contrato nos valores que a Adidas fechou com o Palmeiras (superior a R$ 21 milhões anuais em dinheiro). O fato é que o mercado brasileiro não viabiliza este tipo de negociação e inclusive a marca alemã, não renovará com o alviverde por este motivo.

 

A saída que o São Paulo tenta

Com este cenário, o São Paulo abriu conversas com várias marcas, tentando obter propostas superiores à da Under Armour, mas o resultado não tem sido animador. Empresas como Topper, Adidas, Umbro e Diadora chegaram a conversar com o clube, segundo o que foi divulgado na mídia, mas nenhuma teria proposto algo atrativo.

Com o fraco desempenho em campo e valores dos artigos oficiais acima das possibilidades de grande parte da torcida, as vendas são baixas e a saída que o clube encontra é voltar a conversar com a Under Armour para manter o vínculo até o final do contrato um novo vínculo.

Como a empresa norte-americana não desejava pagar um valor alto de rescisão (a fornecedora sinalizou um acordo para pagar R$ 16 milhões, e o Tricolor queria receber R$ 24 milhões), talvez a única saída seja, realizar um acordo para a permanência da fabricante até o final de contrato com valores mais modestos.

 

Em resumo: o clube não conseguiu uma fabricante que pague valores atrativos e a Under Armour não deseja arcar com mais prejuízos e pode permanecer, desde que os valores sejam revistos.

 

Nos resta aguardar as cenas dos próximos capítulos, mas lamentar também que a marca “São Paulo FC” precisa se valorizar mais para voltar a ser atraente no mercado. Isso tudo passa por um melhor desempenho em campo e uma melhor administração, com pés no chão, que entenda que hoje, o clube não figura entre os mais atrativos para investimentos, infelizmente.

 

Complementando o post: Recebemos a informação que a rescisão de contrato já teria sido assinada e o que pode ser negociado, é um novo acordo. Vamos aguardar a definição.

 

Foto: Divulgação Under Armour

Post anteriorPromessa não se cumpre e a base perde espaço
Próximo PostSalvem o Tricolor Paulista!
42 anos, paulistano, são-paulino e um dos criadores do Arquibancada Tricolor. Apaixonado por Formula 1, Futebol, boa música e tecnologia!